Hora certa:
 

Artigos

Medicina é questão de vocação

Antonio Carlos Lopes
Há quase 80 anos, a Escola Paulista de Medicina da Unifesp vem sendo exemplo de instituição de ensino que tradicionalmente prima pela formação de qualidade dos seus alunos.

 E, a cada ano, cresce a procura por uma vaga nesta conceituada escola, tendo o candidato que se destacar – com boas notas - nas provas do rigoroso exame vestibular. Portanto, somente os mais preparados e com mais conhecimento ganham o direito de se tornarem alunos.
Ainda assim, as estatísticas indicam que muitos dos profissionais formados não estão adequados para diagnosticar e tratar com eficiência o paciente. Em 2011, avaliação do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo com estudantes do sexto ano de Medicina de várias universidades paulistas atestou que quase 50% deles não sabe interpretar radiografia ou fazer diagnóstico após receber informações dos pacientes.

O baixo percentual de acertos em campos essenciais da Medicina, como Saúde Pública (49% de acertos), Obstetrícia (54,1%), Clínica Médica (56,5%) e Pediatria (59,3%) é alarmante.
Nesse sentido, uma enorme preocupação que rodeia os gestores das faculdades médicas é a abertura de grande número de vagas nos cursos de Medicina, especialmente em regiões afastadas e de difícil acesso.
 
Estaríamos sendo ingênuos em acreditar que, no âmbito das estatísticas, uma maior quantidade de médicos formados significaria mais qualidade de atendimento para o paciente.
A Medicina, na realidade, é uma profissão diferente em inúmeros aspectos. O médico precisa ter profundo conhecimento teórico e técnico, além de uma postura humanística. Só pode ser médico quem gosta de gente.

É preciso ser dotado de um certo sexto sentido para intuir como está a saúde do paciente olhando em seu olho, pegando em suas mãos. No exercício desta atividade, não há quem confira as decisões tomadas. Ninguém revisa a conduta do cirurgião que está com o abdome aberto, assim como ninguém confere a receita que o paciente leva ao sair do consultório médico. Sinal da responsabilidade deste profissional que não se encerra com a saída do doente.
Para ser médico, vejo como necessidade primordial uma vocação. Nesse sentido, não basta apenas conhecimento para passar no vestibular.

O ideal seria que cada um dos candidatos fosse avaliado por um exame psicotécnico que selecionasse, não só aquele que sabe mais, e sim aquele que possui as características exigidas pela profissão. Talvez, dessa forma, alcancemos a qualidade da qual sentimos tanta falta. 
Antonio Carlos Lopes é Diretor da Escola Paulista de Medicina da Unifesp e Presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.
 
 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.206.177.17 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)