Hora certa:
 

  • Seval outubro 17 NOVO

Artigos

Séries, jogos e suicídio

Deisy Porto - Psiquiatra ACP

Uma série recém-estreada traz a história de uma adolescente vítima de diversas violências cotidianas e que comete suicídio. A ficção apresenta dramas reais que faz com que muitos adolescentes identifiquem-se com algum dos personagens. A produção tem muitas ressalvas dos especialistas em relação a forma que assunto foi abordado. O fato de algumas pessoas muito fragilizadas e já sem esperança interpretarem que ninguém realmente se importa e que não adianta buscar ajuda, é preocupante. Também preocupa a notícia de jogos de estímulo ao suicídio, onde suspeita-se que jovens sejam desafiados a seguir ordens até chegar ao último estágio: tirar a própria vida. 

Com toda essa repercussão, como evitar mortes prematuras? As respostas podem não ser simples, mas passam pelo esclarecimento sobre bullying, abusos, uso de tecnologia e doenças mentais. Os transtornos mentais como depressão, ansiedade, esquizofrenia e outros mais, se não identificados e tratados, colocam a pessoa em situação de vulnerabilidade. O suicídio já era a segunda causa de morte entre adolescentes, antes do jogo e série. 

Mudanças bruscas de comportamento, isolamento, tristeza persistente, abandono de atividades prazerosas, irritabilidade, queda do rendimento escolar, descuido com a aparência, alterações do sono e apetite, são alguns sinais de que algo não está bem. Passar noites em claro, acordar em horários não habituais, mensagens nas redes sociais e cortes nos braços e pernas, seriam sinais observáveis relacionados ao jogo. Portanto, é importante a supervisão sobre horários e conteúdos acessados na internet, de acordo com cada idade e situação.

É fundamental que pais, professores ou amigos conversem com quem apresente esses sinais. Perguntem abertamente e sem julgamentos como se sentem e como podem ajudá-los. No caso de adolescentes com medo de represálias por jogo ou outro tipo, a polícia deve ser procurada, já que incitação ao suicídio é crime. Uma avaliação psiquiátrica deve identificar situações ambientais, tais como bullying e outras situações estressoras, presença de transtornos mentais e orientar o tratamento. 
 

Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 54.156.92.243 | CCBot/2.0 (http://commoncrawl.org/faq/)