Hora certa:
 

Artigos

Distúrbios Alimentares: muito mais do que comer

Dra. Luana Harada, psiquiatra do Hospital Santa Mônica

 baixe o e-book sobre o tema Transtornos Alimentares: Muito mais que comer!

Os distúrbios alimentares, anorexia nervosa, bulimia nervosa e transtorno de compulsão alimentar e suas variantes, apresentam distúrbios sérios no comportamento alimentar e na regulação do peso. Eles estão associados a  consequências psicológicas, físicas e sociais.
Uma pessoa com um transtorno alimentar pode começar comer quantidades menores ou maiores de alimentos, mas em algum momento, o seu desejo de comer menos ou mais passam a ficar fora de controle.
 
Dificuldade grave ou preocupação com o peso ou forma corporal, ou esforços extremos para gerenciar o peso ou consumo de alimentos, também podem caracterizar um transtorno alimentar.
 
Segundo a dra. Luana Harada, psiquiatra do Hospital Santa Mônica, transtornos alimentares são doenças reais e tratáveis. Eles coexistem com frequência com outras doenças como depressão, abuso de substâncias ou distúrbios de ansiedade.
 
Estatísticas gerais:
 
Pelo menos 30 milhões de pessoas de todas as idades e gêneros sofrem de um transtorno alimentar nos EUA. De acordo com estimativas do Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos (NIMH, na sigla em inglês) 70 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de algum tipo de transtorno alimentar.
Em estudos de longo prazo o índice de mortes provocado por esses transtornos é alto: entre 18% e 20%. A cada 62 minutos, pelo menos, uma pessoa morre como resultado direto de um transtorno alimentar. Os transtornos alimentares têm a maior taxa de mortalidade de qualquer doença mental.
13% das mulheres com mais de 50 anos se envolvem em comportamentos de transtorno alimentar.
Os transtornos alimentares afetam todas as raças e grupos étnicos.
Genética, fatores ambientais e traços de personalidade se combinam para criar risco de transtorno alimentar.
 
Quais são os diferentes tipos de distúrbios alimentares?
 
Anorexia Nervosa
Muitas pessoas com anorexia nervosa se enxergam com excesso de peso, mesmo quando elas estão claramente abaixo do peso. O ato de controlar a comida e o peso se tornam obsessões. As pessoas com anorexia nervosa normalmente se pesam repetidamente, colocam alimentos cuidadosamente e comem quantidades muito pequenas de apenas certos alimentos. Algumas pessoas com anorexia nervosa também podem se envolver em compulsão seguido de dieta extrema, exercício excessivo, vômito auto induzido ou mau uso de laxantes ou diuréticos.
 
Os sintomas da anorexia nervosa incluem:
• Manter peso corporal extremamente baixo;
• Manter severa restrição alimentar;
• Pensamento implacável de magreza e falta de vontade para manter um peso normal;
• Intenso temor de ganhar peso;
• Imagem distorcida do corpo e autoestima fortemente influenciada pelas percepções;
• Falta de menstruação entre meninas e mulheres.
 
Algumas pessoas que têm anorexia nervosa se recuperam com o tratamento e não apresentam mais os sintomas. Outras, no entanto, podem ficar bem, mas ter recaídas. Outros ainda podem ter uma forma mais crônica ou duradoura de anorexia nervosa, em que sua saúde declina enquanto combatem a doença.
 
Bulimia nervosa
As pessoas com bulimia nervosa têm episódios recorrentes e frequentes de comer de forma incomum grandes quantidades de alimentos e sentir uma falta de controle sobre esses episódios. Esta compulsão alimentar é seguida por um comportamento que compensa o excesso de comida, como o vômito forçado, uso excessivo de laxantes ou diuréticos, jejum, exercício excessivo ou uma combinação desses comportamentos.
 
Ao contrário da anorexia nervosa, as pessoas com bulimia nervosa geralmente mantêm o que é considerado um peso saudável ou normal, enquanto alguns estão ligeiramente acima do peso. Mas, como pessoas com anorexia nervosa, muitas vezes temem ganhar peso, querem desesperadamente perder peso e estão intensamente infelizes com o tamanho e a forma do seu corpo.
 
Normalmente, o comportamento bulímico é feito secretamente porque muitas vezes é acompanhado por sentimentos de desgosto ou vergonha. A compulsão alimentar e o ciclo de purga podem acontecer em qualquer lugar, várias vezes por semana, muitas vezes ao dia.
 
Transtorno de compulsão alimentar
As pessoas com distúrbios compulsivos perdem o controle sobre a alimentação. Ao contrário da bulimia nervosa, os períodos de compulsão alimentar não são seguidos por comportamentos compensatórios como a purga, exercício excessivo ou jejum. Como resultado, as pessoas com transtorno compulsivo estão frequentemente com excesso de peso ou obesidade. As pessoas com transtorno compulsivo que são obesos têm maior risco para desenvolver doenças cardiovasculares e hipertensão arterial. Também experimentam culpa, vergonha e angústia sobre a compulsão, o que pode levar a uma compulsão excessiva.
 
Como são tratados tratamentos alimentares?
Os objetivos típicos do tratamento incluem restaurar a nutrição adequada, trazendo o peso para um nível saudável, reduzindo o exercício excessivo e interrompendo a compulsão e comportamentos de purga. Formas específicas de psicoterapia, ou terapia - incluindo uma terapia familiar e cognitiva e abordagens comportamentais - demonstraram ser úteis para o tratamento de distúrbios alimentares. A evidência também sugere que os medicamentos antidepressivos podem ajudar na bulimia nervosa e também pode ser eficaz para o tratamento de coocorrência da ansiedade ou depressão para outros distúrbios alimentares.
 
Os planos de tratamento geralmente são adaptados às necessidades individuais e podem incluir um ou mais do seguinte:
• Psicoterapia individual, grupal ou familiar;
• Cuidados médicos e monitoramento;
• Aconselhamento nutricional;
• Medicamentos (por exemplo, antidepressivos).
 
Alguns pacientes também podem precisar ser internados para tratar problemas causados por desnutrição ou para garantir que eles comam o suficiente se tiverem muito baixo peso.
 
A recuperação completa é possível.
Quer saber mais sobre o assunto? o Hospital Santa Mônica preparou um
e-book sobre o tema Transtornos Alimentares: Muito mais que comer!

Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 54.162.123.74 | CCBot/2.0 (http://commoncrawl.org/faq/)