Hora certa:
 

  • Breda

Artigos

Pesquisadores brasileiros descobrem como o músculo se regenera após o exercício

Rubens de Fraga Júnior

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) descobriram que a regeneração muscular promovida pelo exercício aeróbico é mediada por mudanças no consumo de oxigênio por células satélites, também conhecidas como células-tronco do músculo esquelético. A descoberta deve ser usada para ajudar as pessoas a se recuperarem de lesões e combater a perda de massa muscular associada ao envelhecimento.

Pesquisas anteriores mostraram que levantamento de peso e outros tipos de treinamento de força aumentam o número de células satélites. No exercício aeróbio, sabe-se que o tecido muscular aumenta sua capacidade, mas os mecanismos de reparo associados às células satélites não haviam sido estudados anteriormente.

O grupo da USP descobriu que o exercício aeróbico impulsionou o crescimento das células satélites e que alterações metabólicas significativas estão por trás do fenômeno. O estudo foi realizado durante o doutorado/pesquisa de Phablo Sávio Abreu Teixeira, com apoio de bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP.

"Observamos o consumo reduzido de oxigênio nas células satélites, ao passo que o exercício aumentou a demanda por oxigênio em todos os outros tecidos musculares. Esta é a primeira vez que alguém conseguiu observar como o exercício aeróbio influencia o metabolismo mitocondrial nessas células e como isso afeta a regeneração muscular." Abreu contou.

Para entender o mecanismo, Abreu realizou uma série de experimentos com animais no Instituto de Química da USP sob a supervisão da professora Alicia Kowaltowski, que estuda continuamente mitocôndrias desde a década de 1990 e é filiada ao Centro de Pesquisa em Processos Redox em Biomedicina (Redoxome), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Disseminação (RIDCs) apoiados pela FAPESP.

Os resultados são relatados em um artigo publicado no Journal of Cachexia, Sarcopenia and Muscle. "Descobrimos pelo menos parte do mecanismo que levou à melhoria da regeneração muscular. Um conhecimento mais amplo é o primeiro passo para sermos capazes de intervir no processo de regeneração no futuro", disse Kowaltowski.

Rubens de Fraga Júnior é Especialista em geriatria e gerontologia. Professor titular da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná.

 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.234.255.5 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)