Hora certa:
 

Artigos

Homeopatia e Sustentabilidade

Dr. Yechiel Moises Chencinski

Homeopatia: entendê-la é o primeiro passo para aceitá-la. O tratamento homeopático pouco mudou desde sua criação por Samuel Hahnemann, em 1790. O foco continua sendo o ser único, individualizado, na sua totalidade, em sua busca do equilíbrio holístico.
O paciente vai ao médico com uma queixa. O médico analisa essa queixa dentro de um contexto global do paciente, avalia-o clinicamente, pede exames e outras opiniões de especialistas (se julgar necessário) e receita um tratamento amplo, incluindo uma parte medicamentosa. O paciente melhora, ou até se cura. Isso é ou não é uma medicina baseada em evidências? Então, qual a razão para tanta controvérsia, para tanta discussão a respeito da validade do tratamento homeopático?
Acredito que uma das principais questões de atrito seja o medicamento homeopático que é receitado após uma consulta médica específica. Sendo assim, ele é único, para aquele quadro e para aquele momento (o simillimum). Assim, o medicamento precisa ser manipulado por profissional farmacêutico habilitado a fabricá-lo, estocá-lo e dispensá-lo de forma adequada, e que esteja apto a prestar os esclarecimentos necessários.
O medicamento homeopático pode ser feito de plantas, animais e minerais. Ele é muito diluído e, dessa forma, não vai fazer mal ao doente nem afetar o equilíbrio da natureza. Além de diluído, ele é energizado (sucussionado). Isso quer dizer agitado, batido.
Pega-se uma parte do remédio (exemplo - Mercurius ou outro). Dilui-se uma parte do remédio em 99 partes de álcool e se bate (sucussiona) 100 vezes. Esse é o 1 CH (Centesimal Hahnemanniana). Pega-se uma parte dessa solução e dilui-se em mais 99 partes de álcool, bate-se mais 100 vezes, e esse é o 2 CH. Assim vai, até se chegar o CH que queremos receitar. A isso chamamos potência do remédio. Há outras formas de potências de medicamentos homeopáticos (LM, D, FC, por exemplo), mas todas são preparadas sob o conceito de diluição (ou trituração em lactose) e sucussão (o que é igual a dinamização).
O local adequado para guardar o medicamento deve ser protegido de poeira, luz, umidade e calor; protegido de cheiros fortes (cânfora - antídoto homeopático); distante de aparelhos que emitam radiações (micro-ondas, geladeiras, computadores, eletrodomésticos, celulares, raios X, detectores de metais em bancos e aeroportos). Mantenha o medicamento homeopático distante do alcance de crianças e animais.
Ao tomar o medicamento deve-se evitar seu contato direto com as mãos. Em caso de glóbulos ou pastilhas, ponha a dose adequada na tampinha do vidro e vire na boca. Em caso de líquidos: dose única ou gotas diárias repetidas - conforme orientação médica. Você deve evitar gostos fortes na boca ao ingerir o medicamento. Aguarde 15 a 30 minutos, entre a tomada de dois medicamentos homeopáticos, sempre agitando o frasco antes de cada dose tomada.
E as bulas homeopáticas? Não existem. Não há como indicar para que serve o medicamento. O remédio é usado para quem (paciente) e não para o quê (doença). Esse paciente apresenta um conjunto de sintomas, em um determinado momento, com algumas características (clima, horário, duração, intensidade, causa etc.) que indicam, às vezes, remédios diferentes para situações aparentemente semelhantes ou remédios iguais para situações aparentemente diferentes. Os medicamentos homeopáticos podem ser usados simultaneamente com outros (até alopáticos), quando necessário.
E é assim que a homeopatia se liga à sustentabilidade. Protegendo o indivíduo sem agredir o ecossistema, utilizando mínimas quantidades de substâncias provenientes da natureza, sem esgotá-las e não apresentando metabólitos (restos), que, uma vez de volta à natureza, não vão provocar mudanças na homeostase (capacidade de regular o ambiente interno) nem do indivíduo e nem do mundo que o cerca.
Desse modo, o tratamento homeopático é um modelo a ser preservado e até difundido como meta para o milênio. Preserve a natureza e o ser humano. Homeopatia: ontem, hoje e sempre.

Dr.Yechiel Moises Chencinski é formado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, especialista em pediatria pela Santa Casa de São Paulo e em homeopatia pelo Centro de Estudos, Pesquisa e Aperfeiçoamento em Homeopatia (CEPAH). É autor dos livros “Homeopatia mais simples do que parece” (Pólen Editorial, 2007) e "Gerar e Nascer - um canto de amor e aconchego" (Pólen Editorial, 2008).
 
 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 34.204.186.91 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)