Hora certa:
 

Artigos

O que acontece na menopausa?

Dr. Celso Borrelli

Mudanças hormonais, calor excessivo, última menstruação. Ginecologista explica a importância de descobrir-se novamente
Ondas de calor excessivo, palpitações, sintomas urogenitais e fadiga, entre outros, acometem cerca de 70% das mulheres entre 45 e 55 anos, ocasionados pela parada do ciclo de ovulação e conseqüente parada dos ciclos menstruais. Desta forma, com a chegada da menopausa (última menstruação) elas deixam de produzir os hormônios ovarianos: estrógeno e progesterona.
Neste período, a mulher necessita entender os sintomas que estão modificando sua vida, é preciso procurar orientação e o acompanhamento de um ginecologista é recomendável. O início da menopausa pode ocasionar interferência no relacionamento familiar e conjugal. Muitas vezes, marido e filhos desconhecem os sintomas relacionados com a baixa hormonal e interpretam as mudanças que estão ocorrendo, como desinteresse e exageros.
Mais que se deparar com situações delicadas com seus familiares, o corpo dessa pessoa passará a ter impactos indesejados: alterações do metabolismo podem levar a ganho de peso, aumento do índice de massa corpórea e de gordura localizada e consequente aumento do sedentarismo. Quando a mulher chegar a essa idade, precisará buscar  novos hábitos. As necessidades calóricas nessa fase serão menores, portanto a mulher deverá se programar para gastar essas calorias extras.
Não bastassem as alterações físicas, as emocionais têm repercussão muito importante na qualidade de vida. A produção de serotonina, (neurotransmissor responsável pela comunicação entre as células do cérebro), diminui, ocasionando um desequilibrio emocional aumentando muito o risco de depressão situacional, em graus variados. Os cuidados deveriam ser instituídos de forma preventiva na fase pré-menopausa. “Para evitar esses e outros males, a mulher deve estar preparada, ou seja, antes da menopausa é recomendável que se inicie uma dieta balanceada, complementada por exercícios físicos e exames periódicos.
Com a evolução da medicina diagnóstica, não é mais aceitável mortes por cânceres ginecológicos avançados, ainda tão frequentes em nosso meio. Por outro lado, com o aumento da expectativa de vida, as mulheres devem estar atentas com sua saúde em todos os períodos de suas vidas. Os médicos devem estar conscientes que saúde e qualidade de vida devam andar juntas. Não basta a preocupação de que devamos acrescentar anos às vidas, mas, além disto, hoje precisamos nos preocupar também em acrescentar vida aos anos.


Dr. Celso Borrelli é Coordenador do Serviço de Onco-Ginecologia do Hospital San Paolo.
 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.206.177.17 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)