Hora certa:
 

  • Addera mar-20

Atualidades

Saiba mais sobre a epilepsia

A epilepsia é uma síndrome caracterizada pela alteração temporária e reversível do funcionamento do cérebro, indicando que um grupo de células cerebrais se comporta de maneira instável causando reações físicas. Essa condição pode ocorrer a partir de infecções do sistema nervoso central, acidentes vasculares cerebrais, tumores, traumatismos cranianos, alterações no desenvolvimento do cérebro durante a fase fetal ou até mesmo como sintomas da própria epilepsia.

Em outras palavras, a especialista em epilepsia Elizabeth Bilevicius - doutora em fisiopatologia, explica que as crises se manifestam quando uma região do cérebro, que pode ser bem restrita ou envolver os dois hemisférios cerebrais, começa a emitir impulsos de forma autônoma. ?Seria como um ?curto-circuito? naquela região, esta descarga é a responsável pelos sintomas que o paciente não consegue controlar?.

Os sintomas são os mais variados, as crises duram alguns segundos ou minutos e podem ser acompanhados por manifestações clínicas como contrações musculares, mordedura da língua, salivação intensa, "desligamento" por alguns segundos, movimentos automáticos e involuntários do corpo, percepções visuais ou auditivas estranhas e alterações transitórias da memória.

A especialista explica que a crise mais conhecida pela população é a queda ao solo, seguida de salivação e movimentos bruscos de braços e pernas chamada crise tônico-clônica generalizada, porém ela reforça que nem todos com epilepsia têm estes sintomas. A pessoa pode relatar desde um mal estar vago, sensação inexplicável de medo intenso, alterações na visão como enxergar bolas coloridas etc. O importante para a suspeita do diagnóstico é ter sempre o mesmo padrão de sinais, sem nenhum fator provocador e sintomas autolimitados.

Eduardo Caminada Júnior, Vice-presidente da EPIBRASIL (Federação Brasileira de Associações de Pessoas com Epilepsia), tem epilepsia desde os três anos de idade devido a uma lesão no lobo parietal esquerdo. "Como era de difícil controle, fui orientado a enfrentar todas as situações. Uma época, na escola, por conta das crises em curto período minha mãe me conduzia até a sala e sempre me buscava ao final da aula. Mesmo assim nunca deixei de ir à escola e depois não me impediu de trabalhar, casar e ter a minha própria família", explica.

Para ter uma boa qualidade de vida é essencial combater o estigma da epilepsia sem abrir mão das atividades rotineiras e ter um tratamento adequado, o que pode diminuir ou até zerar a quantidade de crises. Nesse ponto, a relação médico-paciente é fundamental, pois é nesse momento que se estabelecem os objetivos e se manejam as expectativas.

A doutora reforça que a epilepsia é uma condição com tratamento. "Não existe nada de errado em ter epilepsia, assim como ter hipertensão ou diabetes. É importante que a família e os amigos não afastem a pessoa do convívio com a sociedade isso só piora a autoestima e não ajuda. Se for uma criança, tenha em mente que ela é como outra qualquer que precisa de atenção, carinho, educação e de amigos, fatores que ajudam bastante no tratamento".

Eduardo enfatiza que a família respeitou as limitações da epilepsia e não criaram novas, o que o ajudou bastante. "Demorou um pouco para entender o porque de passar por determinadas situações, mas com o passar dos anos, busquei conhecer a epilepsia e percebi que nenhuma condição deveria ser limitadora para minha vida", conta.

Durante as crises, a orientação é que ao presenciar o ocorrido deve-se manter a calma e não entrar em pânico, a prioridade é proteger a pessoa de possíveis acidentes e materiais que possam machucá-la. A médica chama atenção para alguns erros cometidos ao ajudar alguém durante uma crise, "é muito comum colocar objetos ou até mesmo o dedo na boca da pessoa por risco de "engolir a língua", o que não acontece. Outro mito é dar coisas para o paciente cheirar, esfregar álcool nos pulsos ou jogar água no rosto, isso não a abrevia. É importante salientar que não adianta conter a pessoa, pois é frequente que ao recobrar a consciência, fique um pouco confusa. Por último, caso a crise dure mais que cinco minutos ou ocorram várias sequencialmente sem a consciência ser reestabelecida deve-se procurar por ajuda médica".

De acordo com a especialista, geralmente os remédios para controle da epilepsia atuam de duas formas: diminuindo a liberação dos transmissores que excitam aquela área propensa a ter crises ou estimulam a liberação de transmissores que tentam diminuir essa excitação. Quando dadas de forma adequada, as medicações controlam as crises em 70% dos pacientes.

Em resumo, é possível viver bem e plenamente com epilepsia. "O maior problema é o fantasma criado ao redor, e só com muita educação é possível suplantar essa grande doença que é a falta de conhecimento", finaliza a Dra. Elizabeth Bilevicius. Atualmente a síndrome afeta cerca de 65 milhões de pessoas, sendo aproximadamente 1,9 milhão só no Brasil, dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).


Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.207.254.88 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)