Hora certa:
 

Atualidades

Adoçantes artificiais são realmente uma opção mais saudável?

Os adoçantes artificiais são substâncias sintéticas criadas para dar aos alimentos um sabor doce, sem as calorias dos açúcares naturais – considerados uma alternativa para pessoas com diabetes, que auxiliam na perda de peso e mantém os níveis de glicose do sangue estáveis.  

Desde sua chegada ao mercado, alguns estudos vêm sugerindo que estas substâncias podem não ser tão saudáveis quanto se preconiza. Recém-publicado por pesquisadores da Faculdade de Medicina de Wisconsin, um estudo sugere que o uso de adoçantes artificiais pode desencadear obesidade e diabetes acabou reacendendo esse debate.

Realizada em células endoteliais de ratos, a pesquisa levanta a hipótese de que os adoçantes artificiais podem alterar a maneira pela qual o nosso corpo processa gordura e usa energia. As amostras sanguíneas de ratos que foram alimentados com dietas com altos níveis de adoçantes apresentaram alterações em parâmetros bioquímicos, gorduras e na concentração de aminoácidos. 

De acordo com Erika Paniago Guedes, médica endocrinologista e membro do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), apesar dos resultados, até o momento não existem evidências científicas consistentes e suficientes que possam contraindicar o uso de adoçantes. “Estudos em células animais podem ‘sugerir’ uma hipótese ou mecanismo, mas não comprovar. É necessária a reprodução desses achados no ser humano para afirmar que podem causar danos à saúde. Até o momento, nenhum estudo com seres humanos, de seguimento em longo prazo, comprovou risco com adoçantes”, afirma.

Na década de 1970, pesquisas em ratos de laboratório sugeriram que o consumo da sacarina, um tipo de adoçante artificial, estaria relacionado ao desenvolvimento de câncer de bexiga. Na época, a FDA, agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, que regulamenta medicamentos e alimentos, proibiu a venda por conta dos efeitos nos roedores.

No entanto, estudos examinaram como a substância funciona no corpo humano e mostraram que os resultados se aplicam apenas aos ratos, o que fez com que a FDA retirasse os avisos sobre a sacarina. “O aumento de consumo de açúcar, em suas diferentes formas, está comprovadamente associado ao risco de obesidade, diabetes e câncer. Mas não temos esse nível de evidência com os adoçantes artificiais”, comenta a endocrinologista.

Inicialmente, os adoçantes foram formulados para atender às necessidades de pessoas com diabetes em substituição ao açúcar. Nos dias atuais, são utilizados até mesmo em planos alimentares para perda de peso e, se utilizados com moderação e na quantidade correta, não apresentam riscos comprovados. “A recomendação que fazemos é a de que o consumo de açúcares seja controlado, para evitar exposição ao risco destas doenças. Em relação ao uso de adoçantes artificiais, recomenda-se que a dose por dia baseada na Ingestão Diária Aceitável recomendada pelas agências reguladoras dos governos, como ANVISA e FDA, seja respeitada”, conclui.

Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 54.166.203.17 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)