Hora certa:
 

Atualidades

DRA. NARA MATTIA: INCONTINÊNCIA URINÁRIA - 25% DA POPULAÇÃO FEMININA SOFRE COM O PROBLEMA

A incontinência urinária é algo muito desagradável para a mulher que a apresenta. Mesmo os quadros leves interferem diretamente com as atividades diárias dessas mulheres, de tal maneira que aquelas que sofrem da moléstia apresentam índices mais baixos de qualidade de vida.
Mesmo assim, muitas não procuram ajuda médica. Por desconhecer a existência de tratamentos modernos, nem sempre cirúrgicos que podem curar ou minimizar muito os sintomas. Ou por não priorizar seus cuidados sobre outras atividades que ocupavam seu tempo. Muitas relatam que a perda urinária faz parte dos problemas que as mulheres têm de aceitar ao se aproximar da velhice. Veja o que diz a Dra. Nara Mattia, ginecologista e mastologista. 
Por que é a incontinência urinária tão comum?
O problema surge devido à fragilidade da musculatura de sustentação dos órgãos pélvicos. O aparelho esfincteriano, mais delgado, e a uretra feminina curta, proporcionam a incontinência urinária na mulher, que é muito frequente após a menopausa, onde todo esse assoalho fica ainda mais frágil pela falta do hormônio feminino.
A constituição física é um fator predisponente importante, porém, com o aumento do peso do conteúdo abdominal e uterino, devido à gravidez, são também causas da incontinência urinária futura. Durante a gestação, o aumento do volume abdominal, e a presença da cabeça fetal na pelve podem causar uma pressão maior sobre o diafragma muscular pélvico, levando a uma flacidez.
 
Todos os casos são iguais?
A incontinência urinária de esforço é o tipo mais comum. A perda urinária ocorre durante aumento da pressão abdominal (tosse, espirro, levantar peso, movimento, ou exercício físico).  Existe também a incontinência urinária de urgência. É a incontinência que as mulheres apresentam por meio de uma vontade súbita e urgente de ir ao banheiro, mas não conseguem chegar ao sanitário a tempo de evitar a perda de urina. E o terceiro tipo é a incontinência mista, que associa a incontinência de esforço à incontinência de urgência.
 
Como a paciente sabe qual é seu caso?
O mais importante é o médico fazer um diagnóstico correto.

1. História dessa mulher. O médico preciso conversar com ela para tentar caracterizar se a perda de urina é por esforço ou por urgência. Se a urina escapou, por exemplo, quando fez exercícios, ou em repouso, ou quando estava dormindo em casa. Essas duas situações são bastante diferentes para identificação e tratamento da enfermidade.

2. Exame urodinâmico, que permite determinar a ocorrência de contrações vesicais involuntárias (sem que a bexiga esteja muito cheia, surge o desejo premente de urinar), assim como a perda urinária quando a paciente faz esforço. Nesse exame, a saída de urina é monitorizada por computação.
 
Com o diagnóstico correto estabelecido, o que o médico deve recomendar?
O médico determinará qual o melhor tratamento para cada caso, que pode ser:
 
1-Fisioterapia: menos invasiva e com menor risco para a mulher, não tem efeitos secundários, não impede futuras cirurgias e pode ajudar a curar em 51% dos casos a função dos músculos do pavimento pélvico e do controle da bexiga.
 
2-Cirurgia: existem inúmeras técnicas que dependem da indicação de cada caso. As técnicas criam um suporte sub-uretral, para corrigir o ângulo uretrovesical e evitar a perda de urina. Em determinadas situações são necessárias outras abordagens cirúrgicas para corrigir falhas maiores da musculatura pélvica, bem como o reposicionamento do útero, ou do reto, caso estes também estejam comprometidos.
 
3-Farmacológico: pressupõe o uso de várias drogas que contêm substâncias anticolinérgicas que evitam a contração vesical. Usados para as incontinências de urgência e mistas.
 
Dra. Nara Mattia é médica ginecologista, mastologista com destaque na área de prevenção de câncer de mama, com vasta experiência clinica e cirúrgica na ginecologia endócrina.                                            
 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.206.177.17 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)