Hora certa:
 

Atualidades

RETINOBLASTOMA: INCIDÊNCIA DA DOENÇA NO BRASIL É MAIOR DO QUE EM PAÍSES DESENVOLVIDOS

  A edição de fevereiro da revista científica Internacional Journal of Cancer trouxe um artigo dos profissionais do INCA - Instituto Nacional do Câncer, intitulado Cancer incidence among children and adolescents in Brazil: first report of 14 population-based cancer registries. A publicação revela que a incidência de retinoblastoma no Brasil é o dobro da registrada nos Estados Unidos e na Europa. Enquanto algumas cidades brasileiras registram entre 21,5 e 27 casos desse câncer, por milhão, nos EUA, esse valor varia entre dez e 12 casos, por milhão. Segundo os pesquisadores do INCA, o estudo brasileiro na área será ampliado. O próximo passo será tentar descobrir os motivos que expliquem essa diferença, como fatores ambientais, alimentares ou genéticos.
O retinoblastoma é um tumor ocular originário das células da retina. É o mais comum tumor ocular na infância e pode ter caráter hereditário, o que ocorre em 10% dos casos. A doença pode acometer apenas um ou os dois olhos. Este tipo de câncer é bastante agressivo, pode invadir o nervo óptico e o sistema nervoso central, sendo, nestes casos, fatal. O retinoblastoma pode também determinar metástases. Por todos esses motivos, a doença pode e deve ser diagnosticada, o quanto antes.
Confira os comentários do oftalmologista Dr. Sérgio Pimentel, do Instituto de Moléstias Oculares - IMO.
 
Como diagnosticar a doença?
O retinoblastoma pode estar presente já no nascimento e, geralmente, acomete crianças na fase pré-verbal, até os dois anos e meio de idade. Por isso, é fundamental que pais e pediatras estejam atentos para qualquer sintoma da doença. Quando diagnosticado em tempo, o retinoblastoma é curável e a visão da criança pode ser preservada. Quanto mais tardiamente for detectado, menores as chances de um resultado favorável.
O principal sintoma a ser observado é a baixa visão que, quando ocorre nos dois olhos, pode ser percebida pelos pais. O retinoblastoma também se manifesta através de um brilho branco semelhante ao do olho do gato (leucocoria), quando a pupila é submetida à luz artificial. Essa observação, geralmente, é feita pelos familiares. A criança com retinoblastoma pode ainda apresentar estrabismo e aparência anormal do olho.
Fotos com flash podem denunciar a doença, quando os olhos não refletem a cor vermelha em um dos olhos ou em ambos. Mas é importante dizer que nem todos os casos de ausência de reflexo vermelho ocorrem devido à presença de retinoblastoma. A catarata congênita e o glaucoma congênito também provocam um reflexo branco através da pupila.
O Teste do Reflexo Vermelho, o famoso Teste do Olhinho, realizado pelos médicos nos primeiros dias de vida da criança, é um dos exames que pode diagnosticar a doença precocemente. Como o teste só é obrigatório em alguns estados brasileiros, os pais têm papel fundamental na percepção de qualquer anormalidade na visão do bebê. Em caso de suspeita de presença da doença, o primeiro passo é encaminhar a criança ao oftalmologista com a máxima urgência. O diagnóstico é confirmado por meio de outros exames: fundo de olho, ultrassonografia ocular e tomografia computadorizada.
 
Quais as opções terapêuticas?
O tratamento do retinoblastoma permite, em muitos casos, controlar a doença e conservar o globo ocular e a visão. O tipo de tratamento adotado depende do estado de evolução da doença:
 
* Tumores pequenos: podem ser tratados por laser;
* Tumores médios: podem ser tratados por quimioterapia, braquiterapia e laser;
* Tumores grandes: podem ser tratados pela enucleação. Em caso de metástase, a quimioterapia e a radioterapia podem fazer parte do tratamento. Nos casos de enucleação, há a possibilidade de implante de prótese ocular, mediante avaliação do oftalmologista. As próteses oculares não reabilitam a visão da criança, asseguram apenas a correção estética.
 
 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.206.177.17 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)