Hora certa:
 

Atualidades

OS PRINCIPAIS MITOS SOBRE A UTI

Fundador do Centro de Terapia Intensiva do Hospital Israelita Albert Einstein, o renomado cardiologista Elias Knobel, um dos pioneiros da terapia intensiva no País, fala sobre sua trajetória em mais de 32 anos à frente de uma UTI. Ao contrário do senso comum, mais de 90% das pessoas internadas na Unidade sobrevivem.  


A UTI (Unidade de Terapia Intensiva) de um hospital é um universo desconhecido para a maioria das pessoas. Misteriosa, cheia de mitos, inspira ansiedade e medo. Está sempre presente no noticiário e muitos já passaram por lá, como visitante ou paciente. Ainda assim, continua um mundo à parte. “Quase ninguém faz ideia do que se passa em uma UTI. As pessoas a relacionam com a morte, por desconhecimento. Prefiro chamar a Unidade de Terapia Intensiva de corredor da vida, porque representa o que ela é”, explica o cardiologista Elias Knobel, Diretor Emérito e Fundador do Centro de Terapia Intensiva do Hospital Israelita Albert Einstein, que acaba de lançar o livro “A vida por um fio e por inteiro” sobre sua trajetória de mais de 32 anos à frente de uma UTI. 

Knobel é cardiologista e fundou o Centro de Terapia Intensiva do Hospital Israelita Albert Einstein em 1972, permanecendo diretor-chefe até 2004. Atualmente, é vice-presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. É um dos pioneiros na terapia intensiva no País.
Formou-se pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo. Foi professor de medicina interna da UNIFESP de 1971 a 1998. É fellow da American Heart Association, do American College of Critical Care Medicine e master do American College of Physicians. Autor de inúmeras publicações, é editor do livro Condutas do Paciente Grave, um best-seller no âmbito da medicina intensiva no Brasil.
 

Ao contrário do senso comum, ele explica que o índice de eficiência da UTI é significativo: mais de 90% das pessoas sobrevivem, após um período médio de internação de quatro dias. “A UTI é um espaço de excelência médica que reúne o que há de mais avançado no conhecimento científico e tecnológico para lutar pela vida”, explica. “O lendário Dr. Jozef Fehér, que foi presidente do Hospital Albert Einstein, costumava dizer: tenho uma ótima notícia para vocês, seu parente tem chances de sobreviver, ele vai ser transferido para UTI”.  A seguir, o Dr. Elias Knobel desvenda os principais mitos que envolvem a internação de um paciente na UTI. 

 
1) Procedimentos relacionados ao coração, como cateterismo, são sempre seguidos de UTI?
Não. Inclusive, a tendência hoje é deixar a UTI apenas para questões mais complexas. Há dez anos, o paciente do cateterismo era levado à UTI. Depois, passou à unidade de terapia semi-intensiva. Mais recentemente, direto ao quarto. E hoje, no SUS, onde os procedimentos têm reconhecida eficiência após o cateterismo, o paciente fica algumas horas de observação antes de ir para casa.

2) O paciente na UTI está em coma, desacordado?
A UTI ficou popularizada pela imagem de uma pessoa entubada, cheia de aparelhos à sua volta, mas nem sempre é assim. Quando coloquei as TVs nos quartos e mesmo no ambiente da UTI, muitos me perguntaram: ‘mas eles conseguem assistir à TV?’ Claro! Paciente de UTI se mexe, fala, muitos podem utilizar o toalete. Existem os casos muito graves, mas, em muitos casos, pacientes são internados para serem observados.
 
3) Qual a principal queixa dos pacientes?
Pesquisas sobre o impacto da permanência do paciente na UTI também revelam uma realidade desconhecida: mostram que quem sente mais o estresse é a equipe de profissionais, médicos e enfermeiros, que tende a achar que o paciente está sofrendo mais do que ele realmente está. O paciente não vê a situação de forma tão dramática. Também sua maior queixa não é estar sozinho, longe da família. Ele reclama da luz no rosto, ficar na cama, sentir dor, não ter o controle sobre seus atos.  Por isso digo sempre: o que os olhos do familiar vêem não é o que o coração do paciente sente. 

4) O acesso de visitantes à UTI traz riscos aos pacientes?
A UTI como um lugar excessivamente paramentado, inacessível, em que as pessoas precisavam utilizar roupas protetoras até os pés, também caiu por terra. Até a década de 80, os familiares não entravam na UTI. Esta era vista como um lugar fenomenal, dotado de grande tecnologia, que salvava vidas, porém interditado, misterioso. Foi provado que tudo aquilo não funcionava. O que realmente evita infecção hospitalar são ações tão simples como lavar a mão. Hoje as visitas são permitidas, o que ajuda o paciente a se recuperar e sobreviver.


 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.206.177.17 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)