Hora certa:
 

Noticias

Alunos da Faculdade de Medicina USP comentam perdas e ganhos na quarentena

Sem as aulas práticas, privados da convivência com colegas e professores, e afastados dos estágios ambulatoriais e de pronto atendimento no Hospital das Clínicas, os alunos de medicina da USP encararam a quarentena fazendo trabalho voluntário, aproveitando melhor o tempo disponível para estudo e desenvolvimento de novas habilidades e, ainda, ganharam maior consciência de como cuidar da própria saúde.

“A maior perda, com certeza, foi a paralisação das atividades práticas, o que afetou principalmente o 5º e o 6º anos. . Para os demais alunos, as aulas online funcionaram para a parte teórica do curso. A faculdade entrou em férias por duas semanas para que os professores pudessem adequar o conteúdo das disciplinas ao novo formato, ” conta o aluno do 5º ano Lucas Chinenelatto, principal autor do editorial publicado na Revista Clinics, do Hospital das Clínicas. A ideia de revelar a experiência vivida por estudantes do 3º, 4º, 5º e 6º anos da Faculdade de Medicina da USP durante a pandemia do coronavírus surgiu na Mentoria coordenada pelo Prof. Dr. Flavio Hojaij.

O editorial tem como coautores os estudantes Thamara Costa, Vitor Brito Medeiros e Gustavo Boog. São coautores, coordenadores e revisores os professores Flavio Hojaij, Patrícia Tempski, coordenadora do Centro de Desenvolvimento em Educação Médica (CEDEM) e Milton Arruda Martins, presidente da Comissão de Graduação.

“Participo da mentoria da Faculdade de Medicina há sete anos. E quando a pandemia começou eu já tinha vários alunos conhecidos e acabamos formando uma rede ampla. Assim estabelecemos rotas de conversa, visando ajudá-los nesse momento de parada, onde se alterou o modo de ensino nas faculdades. Eu não quis substituir nenhum professor, mas passei a ser um ponto de apoio diante das angústias que todos viveram e ainda vivem”, explica o Dr, Flávio Hojaij, professor livre docente da Faculdade de Medicina da USP, onde atua no Laboratório de Anatomia.
 
O fator psicológico, segundo Lucas Chinelatto, também foi impactante durante a quarentena. “O curso tem período integral e o estudante de medicina está acostumado a passar o dia inteiro na faculdade, onde não só estuda, mas participa de atividades acadêmicas, pratica esportes e, o mais importante, interage e troca experiências com colegas e professores, uma convivência fundamental na formação de qualquer médico. A quarentena gerou estresse e inseguranças sobre a grade curricular e a conclusão do ano letivo”, explica o aluno.

Ganhos na quarentena

Mas a pandemia do Covid-19 trouxe ganhos também. Com um tempo livre que dificilmente dispunham durante a graduação, os estudantes passaram a buscar outros assuntos de interesse, desenvolver novas habilidades como cozinhar, tocar um instrumento, meditar, praticar exercícios físicos em casa e se engajar em trabalhos voluntários.

“Durante esse período foi possível avaliar como levamos a faculdade e refletir sobre nossa maneira de lidar com a própria saúde. O trabalho voluntário também foi importante, porque nos deu a oportunidade de atuar em outras áreas da faculdade”, diz Lucas. Cerca de 300 alunos da FMUSP se voluntariaram, participando, por exemplo, das atividades do Centro de Desenvolvimento em Educação Médica (CEDEM) e das coletas de dados para as pesquisas do coronavírus.

Para os estudantes da FMUSP ficou claro também que a pandemia acabou por provocar uma nova visão de aprendizado. “Já existia uma pressão na faculdade para o uso de mais tecnologias no curso de medicina e essa experiência forçada com o Covid-19 veio mostrar o que dá certo ou não nesse tipo de ensino”, completa Lucas Chinelatto.
 
Para ler o trabalho na íntegra, acessem o link:
https://www.clinicsjournal.com/…/1807-5932-clin-75-e2133.pdf

Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 34.200.236.68 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)