Hora certa:
 

Noticias

Era das Pandemias: especialistas alertam para crises piores e destacam opções para reduzir risco

As futuras pandemias surgirão com mais frequência, se espalharão mais rapidamente, causarão mais danos à economia mundial e matarão mais pessoas do que a COVID-19, a menos que haja uma mudança transformadora na abordagem global para lidar com doenças infecciosas. É o que adverte um novo e importante relatório sobre biodiversidade e pandemias, elaborado por 22 lideranças científicas de todo o mundo.

O trabalho é fruto de um workshop virtual convocado em regime de urgência pela Plataforma Intergovernamental de Política Científica sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistemicos (IPBES). O órgão foi criado em 2012 e está sob o guarda-chuva de quatro instituições da ONU: FAO, PNUD, UNESCO e PNUMA.

A COVID-19 é pelo menos a sexta pandemia mundial de saúde desde a Grande Pandemia de Influenza de 1918, e embora tenha suas origens em microorganismos transportados por animais, como todas as pandemias, seu surgimento foi inteiramente impulsionado por atividades humanas, diz o relatório divulgado nesta quinta-feira (29/10). Estima-se que existam atualmente outros 1,7 milhões de vírus "não descobertos" em mamíferos e aves - dos quais até 850.000 poderiam ter a capacidade de infectar pessoas.

Segundo o estudo, o provável custo da COVID-19 deve ser de US?8-16 trilhões em todo o mundo até julho de 2020. Estima-se ainda que só nos Estados Unidos, esse prejuízo possa chegar a US?16 trilhões até o 4º trimestre de 2021. Os especialistas calculam que o custo da redução dos riscos para prevenir pandemias seja 100 vezes menor que o montante calculado como o impacto econômico gerado para responder a tais pandemias, "proporcionando fortes incentivos econômicos para uma mudança transformadora".

"Não há grande mistério sobre a causa da pandemia da COVID-19 - ou de qualquer pandemia moderna", diz Peter Daszak, que presidiu o workshop da IPBES e é presidente da EcoHealth Alliance. "As mesmas atividades humanas que impulsionam a mudança climática e a perda de biodiversidade também impulsionam o risco pandêmico por meio de seus impactos sobre nosso meio ambiente. As mudanças na forma como usamos a terra; a expansão e intensificação da agricultura; e o comércio, produção e consumo insustentáveis perturbam a natureza e aumentam o contato entre a vida selvagem, a pecuária, os agentes patogênicos e as pessoas. Este é o caminho para as pandemias".

O risco de pandemia pode ser significativamente reduzido pela diminuição das atividades humanas que impulsionem a perda da biodiversidade, por uma maior conservação das áreas protegidas e por medidas que reduzam a exploração insustentável das regiões de alta biodiversidade. Isso minimizaria o contato entre vida selvagem, animais selvagens e humanos e ajudaria a prevenir o alastramento de novas doenças, diz o relatório.

"A esmagadora evidência científica aponta para uma conclusão muito positiva. Temos a capacidade crescente de prevenir pandemias, mas a maneira como estamos lidando com elas agora ignora amplamente essa capacidade", avalia Daszak. "Nossa abordagem estagnou efetivamente - ainda confiamos nas tentativas de conter e controlar as doenças depois que elas surgem, através de vacinas e terapias". Podemos escapar da era das pandemias, mas isto requer um foco muito maior na prevenção, além da reação".

Para Daszak, o fato de a atividade humana ter sido capaz de mudar tão fundamentalmente o ambiente natural não precisa ter sempre um resultado negativo. "Isso também fornece provas convincentes de nosso poder de impulsionar a mudança necessária para reduzir o risco de futuras pandemias, ao mesmo tempo em que beneficia a conservação e a redução da mudança climática".

O relatório diz que contar com respostas a doenças após seu surgimento, em particular a rápida concepção e distribuição de novas vacinas e abordagens terapêuticas, é um "caminho lento e incerto", ressaltando tanto o sofrimento humano generalizado, quanto os prejuízos econômicos para a economia global de reação a pandemias.

O relatório oferece uma série de opções políticas que ajudariam a reduzir e enfrentar o risco de pandemias:

• Lançamento de um conselho intergovernamental de alto nível sobre prevenção de pandemias para fornecer aos tomadores de decisão a melhor ciência e evidência sobre doenças emergentes; prever áreas de alto risco; avaliar o impacto econômico de potenciais pandemias e destacar as lacunas de pesquisa. Tal conselho também poderia coordenar a concepção de uma estrutura de monitoramento global;

• Países que estabelecem metas ou objetivos mutuamente acordados dentro da estrutura de um acordo ou acordo internacional - com benefícios claros para as pessoas, animais e o meio ambiente.

• Institucionalização da abordagem "Uma Saúde" nos governos nacionais para construir a preparação para pandemias, melhorar os programas de prevenção de pandemias e investigar e controlar surtos em todos os setores.

• Desenvolver e incorporar avaliações de impacto de saúde pandêmica e de risco de doenças emergentes em grandes projetos de desenvolvimento e uso da terra, ao mesmo tempo em que altera a ajuda financeira para o uso da terra de modo que os benefícios e riscos para a biodiversidade e a saúde sejam reconhecidos e explicitamente direcionados.

• Assegurar que o custo econômico das pandemias seja levado em conta no consumo, na produção e nas políticas e orçamentos governamentais.

• Possibilitar mudanças para reduzir os tipos de consumo, expansão agrícola globalizada e comércio que levaram a pandemias - isto poderia incluir impostos ou taxas sobre o consumo de carne, produção animal e outras formas de atividades de alto risco pandêmico.

• Reduzir os riscos de doenças zoonóticas no comércio internacional de animais silvestres por meio de uma nova parceria intergovernamental "saúde e comércio"; reduzir ou remover espécies de alto risco de doenças no comércio de animais silvestres; melhorar a aplicação da lei em todos os aspectos do comércio ilegal de animais silvestres e melhorar a educação das comunidades sobre os riscos à saúde do comércio de animais silvestres.

• Valorização do envolvimento e conhecimento dos povos indígenas e comunidades locais em programas de prevenção de pandemias, obtenção de maior segurança alimentar e redução do consumo de animais silvestres.

• Fechar lacunas críticas de conhecimento, como aquelas sobre os principais comportamentos de risco, a importância relativa do comércio ilegal, não regulamentado, e o comércio legal e regulamentado de animais silvestres em risco de doenças; e melhorar a compreensão da relação entre degradação e restauração do ecossistema, estrutura da paisagem e o risco do surgimento de doenças.


Falando sobre o relatório do workshop, a Dra. Anne Larigauderie, Secretária Executiva do IPBES, disse: "A pandemia da COVID-19 destacou a importância da ciência e da perícia para informar a política e a tomada de decisões". Embora não seja um dos típicos relatórios intergovernamentais de avaliação do IPBES, esta é uma extraordinária publicação especializada revisada por pares, representando as perspectivas de alguns dos principais cientistas do mundo, com as evidências mais atualizadas e produzida sob restrições de tempo significativas. Parabenizamos o Dr. Daszak e os outros autores deste relatório do workshop e agradecemos a eles por esta contribuição vital para nossa compreensão do surgimento de pandemias e opções para controlar e prevenir futuros surtos. Isto informará uma série de avaliações do IPBES já em andamento, além de oferecer aos tomadores de decisão novos conhecimentos sobre a redução do risco pandêmico e opções para a prevenção".

 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.234.255.5 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)