Hora certa:
 

Noticias

Cirurgião explica a osteonecrose, doença degenerativa do quadril que afeta PC Siqueira

A osteonecrose afeta geralmente pacientes jovens, entre 30 e 50 anos, e tem como principais fatores de risco o uso de corticoides e consumo em excesso de álcool. Histórico de doenças sanguíneas, uso de antiretrovirais e traumas como a fratura ou luxação do quadril também podem estar relacionados ao desenvolvimento da doença, afirma o médico ortopedista especialista em cirurgia do quadril e joelho, Dr. Thiago Fuchs.

A doença acometeu o youtuber PC Siqueira, de 34 anos, que surpreendeu seguidores ao aparecer no ano passado utilizando uma bengala e ao afirmar que estava com o quadril completamente necrosado. Ele foi submetido a uma cirurgia substituição da articulação (prótese total do quadril) no início de fevereiro e está em recuperação.

"Eu troquei metade do meu quadril. E eu de fato vou ficar mais alto. O nível de destruição dos ossos tava tanto que eu encolhi. [...] Daqui dois meses farei a outra perna. Hoje estou me sentindo eufórico por estar sentindo 50% menos dor. É uma sensação indescritível. Mal posso esperar pra zerar essa dor, aí vou experimentar um pouco do paraíso", publicou.

Sintomas, diagnóstico e tratamentos

A osteonecrose é caracterizada pelo infarto ósseo na cabeça femoral, onde ocorre a morte das células ósseas o causa falta suporte ósseo para a cartilagem articular, gerando sintomas como dor e perda de mobilidade, podendo evoluir para deformidades e artrose do quadril. A doença pode ser silenciosa em sua fase inicial, mas geralmente o sintoma mais comum é a dor intensa que aparece de forma súbita e sem história de trauma.

"Geralmente é uma dor intensa, com dificuldade de mobilidade e incapacidade funcional do quadril. Alguns pacientes só descobrem a osteonecrose em uma fase mais tardia da doença, quando o quadril já sofreu o colapso da articulação. Nesta fase mais avançada da doença , já ocorreu a morte celular, evoluindo com absorção desse osso embaixo da cartilagem e afundamento, com deformação da cabeça do fêmur", explica o cirurgião Thiago Fuchs.

O diagnóstico é feito geralmente com uma avaliação clínica completa sobre a história e tipo da dor, exame físico detalhado e muitas vezes pesquisa de fatores de risco, que inclui o uso de corticoides, doenças prévias, ingestão excessiva de álcool, histórias de trauma no quadril, doenças sanguíneas e outros tratamentos prévios. Também devem ser solicitados exames de imagem complementares, como a radiografia e ressonância magnética com avaliação dos dois quadris, para estabelecer o estágio da doença e qual o tratamento adequado. Quando um quadril tem osteonecrose o outro quadril também está em risco.

Segundo o ortopedista, o tratamento varia de acordo com o estágio da doença e pode ser preservador ou de substituição da articulação. O que define a escolha é a presença ou não do colapso da articulação. Osteonecrose pré-colapso podem ter tratamentos preservadores. Após o colapso, o tratamento indicado é a prótese total do quadril.

"Entre os tratamentos preservadores está a descompressão da cabeça femoral associada, ou não, à terapias biológicas que estimulam a cicatrização e o reparo ósseo, buscando a preservação daquele quadril. Já a osteonecrose que evoluiu para um quadro de artrose, tem indicação de tratamento cirúrgico, com artroplastia total de quadril, para tratamento da doença, melhora dos sintomas e da qualidade de vida. A maioria dos pacientes são jovens, praticantes de atividades físicas, que possuem uma grande demanda funcional", reforça o especialista.

Artroplastia total de quadril - A cirurgia consiste na substituição da articulação do quadril por componentes metálicos, de polietileno ou cerâmica, com o objetivo de restabelecer uma articulação com bom movimento e melhora da dor, melhorando a qualidade de vida do paciente. Pacientes com artroplastia total do quadril tem uma taxa de satisfação acima de 95% com a cirurgia, retomando suas atividades sociais, de trabalho e lazer, e a prática esportiva.

Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.210.12.229 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)