Hora certa:
 

Noticias

Alzheimer e COVID-19 compartilham um mesmo fator de risco genético

Um gene antiviral que impacta o risco de doença de Alzheimer e covid-19 grave foi identificado por uma equipe de pesquisa liderada pela UCL.

Os pesquisadores estimam que uma variante genética do gene OAS1 aumenta o risco de doença de Alzheimer em cerca de 3 a 6% na população como um todo, enquanto variantes relacionadas no mesmo gene aumentam a probabilidade de resultados graves de covid-19.

As descobertas, publicadas na Brain, podem abrir a porta para novos alvos para o desenvolvimento de drogas ou rastreamento da progressão da doença em qualquer uma das doenças, e sugerir que os tratamentos desenvolvidos podem ser usados ??para ambas as condições. Os resultados também têm benefícios potenciais para outras doenças infecciosas e demências relacionadas.

O autor principal, Dr. Dervis Salih (UCL Queen Square Institute of Neurology e UK Dementia Research Institute at UCL) disse: "Embora o Alzheimer seja caracterizado principalmente pelo acúmulo prejudicial de proteína amilóide e emaranhados neurofibrilares no cérebro, há também uma extensa inflamação no cérebro que destaca a importância do sistema imunológico na doença de Alzheimer. Descobrimos que algumas das mesmas alterações no sistema imunológico podem ocorrer na doença de Alzheimer e na covid-19.

"Em pacientes com infecção grave por covid-19, também pode haver alterações inflamatórias no cérebro. Aqui, identificamos um gene que pode contribuir para uma resposta imune exagerada para aumentar os riscos de Alzheimer e covid-19."

Para o estudo, a equipe de pesquisa procurou desenvolver seu trabalho anterior, que encontrou evidências de um grande conjunto de dados de genomas humanos, para sugerir uma ligação entre o gene OAS1 e a doença de Alzheimer.

O gene OAS1 é expresso na micróglia, um tipo de célula imune que constitui cerca de 10% de todas as células encontradas no cérebro. Investigando a ligação do gene ao Alzheimer, eles sequenciaram dados genéticos de 2.547 pessoas, metade das quais com doença de Alzheimer. Eles descobriram que pessoas com uma variação específica, chamada rs1131454, do gene OAS1 eram mais propensas a ter a doença de Alzheimer, aumentando o risco basal dos portadores de Alzheimer em torno de 11 a 22%. A nova variante identificada é comum, já que se acredita que pouco mais da metade dos europeus a carrega, e tem um impacto maior no risco de Alzheimer do que vários genes de risco conhecidos.

Suas descobertas adicionam OAS1, um gene antiviral, a uma lista de dezenas de genes que agora se sabe que afetam o risco de uma pessoa desenvolver a doença de Alzheimer.

Os pesquisadores investigaram quatro variantes do gene OAS1, todas as quais amortecem sua expressão (atividade). Eles descobriram que as variantes que aumentam o risco da doença de Alzheimer estão ligadas (herdadas em conjunto) com variantes OAS1 recentemente descobertas para aumentar o risco de base de necessidade de cuidados intensivos para covid-19 em até 20%.

Como parte da mesma pesquisa, em células imunológicas tratadas para imitar os efeitos do coronavírus, os pesquisadores descobriram que o gene controla o quanto as células imunológicas do corpo liberam proteínas pró-inflamatórias. Eles descobriram que as células da micróglia, onde o gene era expresso de forma mais fraca, tinham uma resposta exagerada ao dano tecidual, desencadeando o que eles chamam de "tempestade de citocinas", que leva a um estado autoimune em que o corpo ataca a si mesmo.

A atividade da OAS1 muda com a idade, portanto, pesquisas adicionais na rede genética podem ajudar a entender por que os idosos são mais vulneráveis ??ao Alzheimer, covid-19 e outras doenças relacionadas.

O estudante Naciye Magusali (UK Dementia Research Institute at UCL) disse: "Nossas descobertas sugerem que algumas pessoas podem ter aumentado a suscetibilidade à doença de Alzheimer e covid-19 grave, independentemente de sua idade, já que algumas de nossas células imunológicas parecem ter um mecanismo molecular em ambas as doenças".

Após o surto da pandemia covid-19, pesquisadores do UK Dementia Research Institute da UCL voltaram sua atenção para a investigação das consequências neurológicas de longo prazo do vírus. Usando biomarcadores encontrados no sangue e fluido ao redor do sistema nervoso central, eles têm como objetivo rastrear a neuroinflamação e os danos aos neurônios.

Dr. Salih disse: "Se pudéssemos desenvolver uma maneira simples de testar essas variantes genéticas quando alguém testou positivo para covid-19, então seria possível identificar quem está em maior risco de precisar de cuidados intensivos, mas há muito mais trabalho a ser feito para nos levar até lá. Da mesma forma, esperamos que nossa pesquisa possa contribuir para o desenvolvimento de um exame de sangue para identificar se alguém está em risco de desenvolver Alzheimer antes de apresentar problemas de memória.

"Também estamos continuando a pesquisar o que acontece quando esta rede imunológica é ativada em resposta a uma infecção como a covid-19, para ver se isso leva a algum efeito duradouro ou vulnerabilidade, ou se está entendendo a resposta imunológica do cérebro à doençã, envolvendo o gene OAS1, pode ajudar a explicar alguns dos seus efeitos neurológicos".

Fonte: A genetic link between risk for Alzheimer's disease and severe COVID-19 outcomes via the OAS1 gene, Brain (2021). DOI: 10.1093/brain/awab337

Rubens de Fraga Júnior, professor titular da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná. Médico especialista em geriatria e gerontologia pela SBGG.
 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 34.228.229.51 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)