Hora certa:
 

Noticias

Arritmias cardíacas podem ser assintomáticas e provocar problemas como parada cardíaca e morte súbita

As arritmias cardíacas são disfunções elétricas que provocam alterações no ritmo das batidas do coração. Elas podem ser de diferentes tipos: taquicardia, quando o coração bate mais acelerado do que o normal; bradicardias, quando o ritmo é muito lento, e descompasso, quando o coração pulsa de maneira irregular. Estima-se que 20 milhões de brasileiros sofram de arritmias cardíacas, levando mais de 320 mil pessoas a óbito anualmente. Para conscientizar a população sobre o problema e sua prevenção, 12 de novembro foi escolhido como o Dia Nacional de Prevenção de Arritmias Cardíacas e Morte Súbita.

Os sintomas podem incluir cansaço, palpitações, indisposição, dores no peito, tontura e desmaios. No entanto, em muitos casos as arritmias cardíacas podem ser silenciosas e assintomáticas, o que reforça a importância da realização de avaliações médicas periódicas e exames de rotina. Além disso, se alguém perceber que o coração está batendo de forma inadequada, é preciso procurar um cardiologista.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac), quando não diagnosticada e tratada corretamente, a arritmia cardíaca pode provocar parada cardíaca, doenças no coração e a morte súbita. Qualquer pessoa pode ser diagnosticada com arritmia cardíaca, independentemente de idade, sexo ou condição socioeconômica. Até mesmo recém-nascidos, jovens saudáveis e atletas podem ser acometidos por essa condição.

A forma mais comum de arritmia é Fibrilação Atrial (FA), caracterizada por batimentos cardíacos irregulares e com frequência rápida, que resultam em uma contração descoordenada das duas câmaras superiores do coração, os átrios. A FA afeta 1 em 4 pessoas com mais de 40 anos durante a vida. Este tipo de arritmia é uma das principais causas de acidente vascular cerebral (AVC), insuficiência cardíaca, morte súbita e morbidade cardiovascular.

As opções de tratamento das arritmias cardíacas dependem da condição clínica de cada paciente. Entre elas estão as formas intervencionistas, como a ablação por cateter, procedimento minimamente invasivo que previne o agravamento dos sintomas.

 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 34.228.229.51 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)