Hora certa:
 

Noticias

Toda Queixa Importa: SOBOPE reforça a importância do diagnóstico precoce do câncer

O dia 23 de novembro é marcado como o Dia Nacional de Conscientização sobre o Câncer Infantojuvenil. Para reforçar a importância do diagnóstico precoce, a Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (SOBOPE) realiza em suas redes sociais a campanha "Toda Queixa Importa". A ideia é alertar pais, educadores e profissionais de saúde para ficarem atentos aos sintomas do câncer nessa faixa etária.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer já representa a primeira causa de mortalidade por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos de idade em todo o País. Ainda segundo a entidade, no Brasil, o número esperado de novos casos para cada ano do triênio 2020-2022 é de 8.460, sendo 4.310 no sexo masculino e 4.150 no sexo feminino.

"É natural que as pessoas que convivam com as crianças ou adolescentes minimizem algumas queixas, como as queixas de dor, fadiga ou alterações visuais, ou não se atentem para sinais como distúrbios de marcha, perda de peso e manchas roxas no corpo - entre outros sinais e sintomas que podem estar relacionados ao câncer - afinal, crianças caem e adolescentes praticam esportes", exemplifica a Dra. Flávia Delgado Martins, oncologista pediátrica e membro da diretoria da SOBOPE. "Os familiares devem estar atentos a qualquer alteração e devem abrir espaço diariamente para que as crianças e adolescentes exponham suas queixas. Mais importante ainda é que essas queixas sejam valorizadas, ainda que os cuidadores optem por acompanhá-las domiciliarmente", ressalta Dra. Flávia.

Outro ponto reforçado pela campanha é a importância de uma relação de confiança entre o médico que faz o primeiro atendimento, seja ele pediatra ou não, família e paciente. "Para o médico, é importante praticar a escuta de maneira profunda e acolher toda e qualquer queixa. Ou seja, estar apto a ouvir mesmo as queixas não diretamente relacionadas à criança, como por exemplo, a demora no atendimento ou quantas outras unidades aquela família tentou até conseguir este atendimento. Isto trará ao médico um conhecimento amplo da situação de ansiedade e estresse a que vem sendo submetida esta família e a criança, e o ajudará a julgar com maior sensatez a queixa principal. Quanto às queixas relacionadas à criança ou ao adolescente, todas as queixas importam! Sinais, sintomas, histórico comportamental, mudança nos sentidos, etc.", esclarece a oncologista da SOBOPE.

Uma vez feita a hipótese diagnóstica, que pode indicar alguma comorbidade mais corriqueira ou até a suspeita de um câncer, o médico deve explicar de maneira compreensível e realista qual a situação atual do paciente, se há a necessidade de realizar exames mais detalhados e a urgência dos mesmos. "Muitas vezes o pediatra dá o encaminhamento - para algum exame ou consulta com outro especialista - mas não fala o porquê ou a urgência. O que acontece é que a família não dá muita importância, posterga ou nem continua o acompanhamento", alerta a Dra. Flávia Martins.

Por sua vez, pacientes e familiares precisam ter em mente que aquele é o momento deles. "À família, pais ou cuidadores, eu diria: Descrevam no seu tempo tudo o que está acontecendo, dores, alterações nos sentidos (como alteração na visão, fala ou audição, mudança cognitiva), caroços em qualquer parte do corpo, febre prolongada, observem o exame físico do médico, ouçam com atenção o que ele tem a dizer e não se sintam acuados em perguntar novamente, em requerer mais explicações. Enfim, saiam do consultório completamente esvaziados em todas as suas dúvidas e receios. Nós médicos, muitas vezes, não saberemos explicar tudo ou daremos o diagnóstico final, mas até a dúvida é nossa obrigação comunicar, para que a família fique ciente da necessidade de observação rigorosa até a resolução dos sintomas ou surgimento de outras alterações", salienta a oncologista.

Por fim, Dra. Flávia cita ainda a importância do médico e dos familiares de colocarem o paciente, seja ele criança ou adolescente, como centro da consulta. "É de suma importância não subestimar a capacidade de comunicação da criança ou adolescente pelo fato de eles terem interlocutores. Desde o momento da anamnese, quanto durante o exame físico e à comunicação da hipótese diagnóstica e das medidas a serem tomadas, eles podem contribuir com informações valiosas, além de terem o direito de expressar dúvidas e anseios".

Diferentemente do câncer em adultos, que geralmente se desenvolve a partir de fatores de risco relacionados a outras doenças crônicas (obesidade, hipertensão, tabagismo etc), o câncer na criança e no adolescente está ligado a fatores genéticos e, geralmente, afeta as células do sistema sanguíneo e os tecidos de sustentação, como ossos e músculos. Segundo a American Cancer Society, o tipo de câncer mais comum nesta faixa etária é a leucemia (28%), seguida pelo do sistema nervoso central (26%), com os linfomas (8%) em terceiro lugar

A boa notícia é que, de acordo com o INCA, 8 entre 10 crianças e adolescentes diagnosticados com câncer podem ser curados se a doença for descoberta precocemente e tratada em centros especializados. "Por isso é tão necessário não ignorar os sinais iniciais do câncer, dar atenção às queixas, principalmente as recorrentes, ter acompanhamento médico regular e levá-los para consulta com o pediatra caso surja alguma anormalidade. Afinal, toda queixa importa", finaliza a Dra. Flávia Delgado Martins, oncologista pediátrica e membro da diretoria da SOBOPE.

 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 34.228.229.51 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)