Hora certa:
 

Noticias

Falta de tecnologia e insegurança médica são entraves para Telemedicina no Brasil

Revogada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) no último dia 22 de fevereiro, a prática de Telemedicina gerou muita polêmica pela forma que foi adotada e apresentada, motivando fortes críticas e posicionamentos de inúmeras entidades médicas até a decisão ser divulgada.

Segundo Raul Canal, presidente da Sociedade Brasileira de Direito Médico e Bioética (ANADEM), a realização de consultas, diagnósticos e cirurgias a distância no Brasil ainda precisarão superar alguns entraves como a precariedade tecnológica, a baixa capacidade de investimentos e a insegurança médica.

De acordo com o especialista, os possíveis erros da atividade seriam motivados pela falta de tato do médico com o paciente, fundamental na relação de atendimento, e até na imprecisão da mensagem transmitida via ligação.

Além disso, constata Raul Canal, a Telemedicina não é garantia de alcance. Os moradores dos vilarejos mais afastados teriam que contar com uma infraestrutura particular, como computador ou aparelho celular e sinal de internet ou telefonia que possibilitariam a chamada sem interferências ou interrupções, para obterem a qualidade do atendimento certificada.

“Ainda não há certeza de que os teleatendimentos funcionem tão bem quanto os atendimentos presenciais. Isso pode desencadear uma série de erros de diagnósticos, tratamentos imprecisos e uma crise na saúde pública, que se instalariam como consequência. Portanto, é fundamental que os meios científicos atestem a medida antes”, alerta Canal.

Para o presidente da ANADEM, no entanto, o Conselho Federal de Medicina terá, agora, a chance de pôr em prática todas as discussões que não foram realizadas no primeiro momento, antes da revogação.

“Precisamos discutir com o meio político, acadêmico, jurídico e, principalmente, científico, antes de tomar atitude e abrir espaço para novas insatisfações médicas”, explica Raul Canal.  
 

Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 3.91.79.74 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)