Hora certa:
 

Noticias

Especialista alerta para queda do nível de vitamina D no tempo frio

Para o organismo sintetizar a vitamina D, a exposição solar é fundamental, uma vez que 80% desta absorção pela pele é ativada pelo sol¹. No entanto, como na maioria das cidades as pessoas passam boa parte do dia em ambientes fechados, a falta dessa vitamina, que é um pré-hormônio produzido pelo próprio corpo, costuma ser comum. E, no inverno, a situação pode se agravar: a incidência solar diminui e passamos a usar mais camadas de roupas para nos protegermos do frio.

A falta de vitamina D é considerada uma questão de saúde pública, segundo a Sociedade de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), pois está associada ao desenvolvimento de diversas doenças. Segundo a médica Victoria Borba (CRM 9951 – PR), professora adjunta de endocrinologia Universidade Federal do Paraná (UFPR), baixos níveis desta vitamina estão ligados à diminuição da imunidade e ao comprometimento da massa óssea, o que pode favorecer o desenvolvimento de osteoporose. Sem o nível ideal de vitamina D, apenas entre 10 e 15% do cálcio é absorvido pelo organismo.

“Além disso, a ausência da vitamina tem relação com a evolução do raquitismo e até alguns tipos de câncer. Nas gestantes, por sua vez, a falta de vitamina D está associada ao baixo peso do bebê ao nascimento e complicações do parto, como eclâmpsia (pressão alta grave). Já nos idosos, pode aumentar o risco de quedas e, consequentemente, de fraturas, por comprometer a saúde de ossos e músculos”, alerta a especialista.

A endocrinologista acrescenta que, geralmente, a falta de vitamina D é assintomática. “Em casos mais graves, pode provocar dor nos músculos e nos ossos, principalmente na região anterior da perna (panturrilha e tornozelo), explica.

Os grupos de riscos são formados principalmente por idosos, negros, pessoas com doenças crônicas, gestantes e lactantes, usuários de corticoides e antifúngicos, quem utiliza medicações para HIV, passou por cirurgia bariátrica ou nunca toma sol.

Alimentos e suplementos

A médica lembra que, além da exposição solar, o nível ideal de vitamina D pode ser alcançado pela alimentação equilibrada e pela suplementação. Apesar de a dieta ter um papel importante, as fontes alimentares ainda são escassas. A vitamina D vem do sol, dos alimentos ou da suplementação. Porém, é muito pouco disponível nos alimentos normalmente consumidos no Brasil. É encontrada em peixes gordos, como salmão selvagem, algas expostas ao sol e sardinha, mas em quantidades pequenas. A média de ingestão de vitamina D pelos brasileiros é de 80 UI/dia, segundo o estudo Brazos (Brazilian Osteoporis Study), quando o necessário é de, no mínimo, 1000UI/dia”, esclarece a especialista. 

Portanto, como é pouco provável manter os níveis de vitamina D apenas pela exposição ao sol ou pela alimentação, os suplementos se tornam uma opção segura: “A suplementação deve ser feita por todas as populações de risco. Principalmente quando não houver exposição solar.  Suplementos, em doses adequadas, que variam de 1000UI a 2000UI ao dia, são bastante confiáveis. Casos de nível baixo da vitamina necessitam, inicialmente, de uma reposição mais intensa de 7000UI ao dia”, finaliza a médica.

Confira a seguir uma relação, feita pela médica Victória Borba, de fontes alimentares com vitamina D:AlimentoVD (mcg/100g)VD (UI/100g)Quantidade para a necessidade mínima por dia(1000 UI)Salmão12,4496200grSardinha7,5300340grAtum7,2288350grBacalhau7,0280357grFígado de boi0,8323KgShitake fresco2,51001 KgGema de ovo0,5 (unidade)20 (unidade)50 unidades Referência consultada:¹Sergio Setsuo Maeda,Victoria Z. C. Borba,Marília Brasilio Rodrigues Camargo,Dalisbor Marcelo Weber Silva,João Lindolfo Cunha Borges,Francisco Bandeira,Marise Lazaretti-Castro - Recomendações da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) para o diagnóstico e tratamento da hipovitaminose D. Julho, 2014http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302014000500411 
 
 

Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 35.171.146.16 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)