Hora certa:
 

Noticias

Novos medicamentos aumentam a sobrevivência de pacientes com câncer de próstata metastático

O câncer de próstata é a segunda maior causa de morte entre os homens, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer. Entretanto, o Novembro Azul deste ano, campanha mundial de combate a essa e outras doenças, conta com novidades. Dois estudos, ENZAMET e TITAN, divulgados em 2019, indicam que o uso dos medicamentos Enzalutamida e Apalutamida, associados ao análogo do GnRH, podem melhorar a sobrevida do paciente.

O combate mais comum do câncer de próstata metastático virgem de tratamento, que é denominado de hormônio sensível, é a castração da testosterona, que pode ser obtida através de cirurgia para retirada dos testículos ou com drogas que agem no eixo hipotálamo-hipofisário, mais conhecidos como os análogos ou os antagonistas do GnRH.

As novidades em termos de tratamento começaram há cerca de 3 anos. O estudo CHAARTED, no fim de 2015, associou quimioterapia do docetaxel ao tratamento padrão com análogo e também revelou ganho de sobrevida em pacientes com câncer de próstata metastático de grande volume.

O ano passado, um outro estudo, o LATITUDE, mostrou que o emprego de abiraterona, uma droga oral que reduz o nível de androgênios provenientes da supra renal, quando associada ao análogo, também promovia uma melhora da sobrevida desses pacientes.

A preocupação fica por conta do do alto custo desses tratamentos, como afirma o professor do setor de uro-oncologia da FMABC (Faculdade de Medicina do ABC) e responsável pelo setor de cirurgia robótica urológica no Hospital Brasil e rede D’Or, Dr. Marcos Tobias Machado. “O impacto no custo do tratamento para o paciente ou para a saúde pública é preocupante, uma vez que as novas drogas podem aumentar o curso mensal em R$ 10 mil e durar por muitos anos enquanto houver boa resposta clínica”, explica. 

Para reforçar a campanha do Novembro Azul no combate a doenças masculinas, em especial o câncer de próstata, Dr. Marcos responde aos principais mitos e verdades sobre o tema:


1) Câncer de próstata não tem cura?

Mito. A maioria dos pacientes com este tipo de tumor pode ser curado ou ter uma sobrevida bastante longa. De acordo com o especialista, existem três fatores importantes que definem o prognóstico do paciente:

- O estágio da doença, ou seja, se ela está localizada no órgão ou se já se espalhou pelo corpo.

- O escore de Gleason, uma nota dada ao tumor pelo médico que examina microscopicamente a amostra da biópsia.

- Valor do PSA, que são moléculas produzidas pelas células da glândula prostática. O médico deve medir a concentração dessa partícula no sangue, para detectar câncer de próstata e até mesmo outras doenças.

Quando a doença está localizada no órgão e tem outros fatores de bom prognóstico, a chance de cura se aproxima de 90%, enquanto que uma doença que já se apresenta nos ossos, por ocasião do diagnóstico, tem menos de 5% de cura.

 
2) O câncer de próstata inicial não apresenta sintomas?

Verdade. O câncer de próstata não apresenta nenhum sintoma no início, o que torna a doença muito perigosa. O paciente deve sempre realizar a avaliação preventiva com exame de sangue PSA e exame de toque retal. Apenas em um estágio mais avançado pode causar sintomas de compressão da uretra, sangramento na urina e dor nos ossos.

 
3) O câncer de próstata não atinge homens mais jovens?

Mito. O tumor pode atingir homens de todas as idades, embora, os que têm idade acima de 50 anos, são os mais propensos. No entanto, homens acima de 40 anos já podem iniciar a prevenção com a medição do PSA no sangue.

“Em homens mais jovens saudáveis ou com boa expectativa de vida tendemos a oferecer terapia com intenção de cura, como a cirurgia e a radioterapia. Por outro lado, idosos acima de 70 anos com múltiplas comorbidades nós tendemos a tratamentos que prolongam a vida, melhoram a qualidade de vida, mas podem não curar a doença”, explica o Dr. Marcos Tobias.

 
4) Exame de sangue não identifica se há tumor na próstata?

Verdade. O único exame capaz de identificar o tumor é a biópsia da próstata, por isso, a importância de conscientizar os homens da importância de realizar os exames.  Dr. Marcos Tobias conta que é necessário fazer a ressonância magnética, tomografia e cintilografia dos ossos, para entender a extensão da doença, caso o tumor seja identificado.

“A partir destes dados, associados ao treinamento dos profissionais envolvidos, da tecnologia disponível, da avaliação do estado global de saúde e da preferência do cirurgião, o paciente é informado sobre as opções e ajuda na tomada de decisão final sobre o tratamento elegido”, detalha.

 
5) Não tenho histórico familiar, não preciso fazer os exames.

Mito. Todo homem pode sofrer com o câncer de próstata. Evidentemente, homens que têm histórico na família precisam ficar sempre em alerta, mas todos, sem nenhuma exceção, devem fazer o exame uma vez por ano, principalmente a partir dos 45 anos para homens com histórico familiar ou negros, pois eles tendem a desenvolver o câncer precocemente.

Para os demais, o exame é recomendado a partir dos 50 anos. Em casos especiais, o urologista pode solicitar que o paciente retorne em menos tempo para fazer o acompanhamento.

 
6) Se diagnosticado terei de retirar a próstata por completo?

Mito. Antes de qualquer conduta médica, saiba que existem basicamente 5 modalidades de tratamento, sendo elas:

1-Cirurgia radical: No Brasil, esse é o principal tratamento utilizado. De todos é o que oferece melhor resultado em longo prazo;

2- Radioterapia: Pode ser externa ou com imitante cirúrgico de sementes radioativas;

3- Observação: Indicada para pacientes com tumor de baixa agressividade ou em pacientes muito idosos com comorbidades;

4- Ablação com fontes de energia (HIFU ou crioterapia): São opções com intenção de reduzir a invasividade dos outros tratamentos. A desvantagem é que são opções relativamente novas e não temos ainda os resultados em longo prazo com essas modalidades.

5- Tratamento medicamentoso: pode ser realizado com drogas que causam bloqueio hormonal ou com quimioterápicos. O uso das diferentes drogas e o tempo de administração dependem de cada caso.

 
7) O câncer de próstata é tabu entre os homens?

Verdade. Este assunto ainda é um tabu para os homens, que normalmente se ocupam com o trabalho e não vão ao médico para prevenção. Outro fator negativo é o receio do exame de toque retal, o que com o passar dos anos e com uma boa explicação normalmente não tem sido um obstáculo à prevenção. Todo o esforço deve ser concentrado em trazer o homem para o consultório.

 
8) Os tratamentos para o câncer de próstata evoluíram muito nos últimos anos.

Verdade. Do ponto de vista da cirurgia, a plataforma Robótica é a maior inovação, permitindo redução da morbidade do tratamento com excelentes resultados na cura do câncer. Os aparelhos de radioterapia também evoluíram muito, sendo o tratamento planejado por tomografia, em que é possível aplicar maior energia no local da doença e da redução da dose em pontos críticos que causariam morbidade.

O arsenal de medicações utilizadas também melhorou muito nos últimos anos, tanto em drogas injetáveis como em medicações orais de alta eficiência.  Todos esses fatos favoreceram um significativo aumento na sobrevida com melhora na qualidade de vida dos pacientes com CaP.

 

Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.205.176.85 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)