Hora certa:
 

  • Jornal SBC

Sociedades

No mês de prevenção ao câncer de próstata, Socesp realizou bate-papo com especialista em Cardio-Oncologia

O Novembro Azul é um período em que a conscientização sobre o câncer de próstata ganha espaço na mídia e na sociedade. Reconhecendo e apoiando o movimento, a Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) conversou com a professora Doutora. Ludhmila Hajjar, docente associada e coordenadora de Cardio-Oncologia da Faculdade de Medicina da USP, coordenadora nacional da Cardio-Oncologia da Rede Américas e Chefe da UTI do Hospital Paulistano.

No bate-papo, a especialista, membro da Socesp, explicou que, nos últimos anos, se tem notado um aumento na incidência da doença no Brasil, segundo tipo de câncer mais comum entre os homens (atrás apenas do de pele não-melanoma). Ela salientou que a evolução dos métodos diagnósticos, mais conscientização sobre a doença e aumento na expectativa de vida refletem-se nas estatísticas.

Esse tipo de câncer é considerado uma doença da terceira idade, já que cerca de 75% dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. Seu diagnóstico pode ser feito por meio da ultrassonografia, toque retal, dosagem do PSA e biópsia.

Socesp: Qual é o principal tratamento do câncer de próstata? O bloqueio hormonal faz parte destas opções?
Dra. Ludhmila Hajjar: A escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada e definida de acordo com o estado do tumor e com as possíveis doenças pré-existentes do paciente.

Para a doença localizada, a cirurgia e a radioterapia são as modalidades de tratamento mais indicadas. Para os casos localmente avançados, radioterapia ou cirurgia em combinação com tratamento hormonal têm sido utilizados. Já em estágio metastático, o tratamento mais indicado é a terapia anti-hormonal.

É verdade que este bloqueio hormonal pode agravar doenças cardíacas pré-existentes? Quais seriam essas doenças?
LH: Sim, é verdade. Contundo, o bloqueio hormonal é um tratamento bastante eficiente e, de acordo com pesquisas, é capaz de reduzir a mortalidade dos pacientes com esse tipo de câncer em 40%.

Pacientes que passam por tratamento contra câncer de próstata têm que ser avaliados e acompanhados por cardiologistas?
LH: O acompanhamento com o cardiologista é essencial ao paciente portador de câncer de próstata. A maioria deles já apresenta múltiplos fatores de risco cardiovasculares e, considerando os efeitos da terapia anti-hormonal no sistema cardiovascular, se faz necessário um acompanhamento do paciente desde o início do diagnóstico do câncer para que se possa estabelecer metas de prevenção cardiovascular, além de realizar diagnóstico precoce e instituir terapias adequadas na presença de complicações.

E em pacientes que não têm doenças cardíacas pré-existentes? É possível que o tratamento seja o pontapé inicial para problemas cardiovasculares?
LH: A literatura tem demonstrado que não só doenças cardíacas prévias, mas a presença de fatores de risco cardiovasculares aumentam de maneira significante a ocorrência de doenças cardíacas no paciente oncológico. O tratamento anti-hormonal pode potencializar fatores de risco pré-existentes e até mesmo induzir a ocorrência da síndrome metabólica e de doenças cardiovasculares.

Qual é a importância da Cardio-Oncologia na medicina? É uma especialidade que tem ganhado espaço no Brasil?
LH: As doenças cardiovasculares nos pacientes com câncer são eventos cada vez mais frequentes, em decorrência de avanços na terapêutica oncológica que resultaram tanto na melhora da qualidade de vida como no aumento da sobrevida dos pacientes. Nas últimas décadas, os progressos no tratamento oncológico resultaram também na maior exposição dos pacientes a fatores de risco cardiovasculares e à radioterapia, quimioterapia e imunoterapia com potencial de cardiotoxicidade. Atualmente, observa-se uma mudança no paradigma em relação ao prognóstico do paciente oncológico, que passa a ser visto como um portador de uma doença crônica que ao longo de sua evolução pode apresentar descompensações agudas, como as manifestações cardiovasculares. A Cardio-Oncologia tem como meta principal promover a prevenção, o diagnóstico adequado e o tratamento das doenças cardiovasculares, corroborando para o aumento da sobrevida e da qualidade de vida dos pacientes.

Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 3.234.214.179 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)