Hora certa:
 

  • Addera mar-20

Sociedades

Febrasgo comenta novo anticoncepcional aprovado nos EUA

Recentemente, as mulheres ganharam novo aliado para contracepção e planejamento familiar. A agência federal americana reguladora de medicamentos FDA (sigla em inglês para Food and Drug Administration) aprovou a comercialização de novo método contraceptivo não hormonal. Trata-se de um gel vaginal que altera o pH vaginal, modificando as características de fertilização dos espermatozoides. A Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) aponta que é importante as mulheres terem novas soluções para contracepção, contudo salienta que esse novo gel não tem a mesma eficácia dos métodos que bloqueiam a ovulação ou mesmo do DIU de cobre (que também não possui hormônios) e ainda demanda uma rotina cuidadosa da paciente para maior efetividade.

Segundo o fabricante, o gel é produzido à base de ácido láctico, ácido cítrico e bitartaro de potássio e deve ser aplicado até uma hora antes do ato sexual. Embora a aprovação do produto seja comemorada por muitas mulheres que não querem ou não podem utilizar métodos hormonais, os estudos que embasaram seu lançamento apontaram que uma em cada sete mulheres monitoradas engravidou durante sua utilização.

O ginecologista Dr. Carlos Alberto Politano, membro da Comissão Nacional Especializada em Anticoncepção da Febrasgo, destaca que “o produto é um método a mais para se utilizar. Mas depende de uma rotina cuidadosa, visto que não tem a mesma efetividade de métodos que bloqueiam a ovulação. Sua ação é muito semelhante aos espermaticidas que usamos no Brasil, há vários anos”.

O médico comenta ainda que apesar dos prós de não ser hormonal, existe considerável possibilidade de falha de uso durante a relação. “Quando você coloca o DIU de cobre, não há a necessidade de uma ação durante a prática sexual. Diferentemente deste novo produto que depende de uma ação direta durante a relação. Deste modo, ele é mais passível de aplicação inadequada, principalmente, naqueles casos em que há necessidade de parar e repetir a aplicação – o que também interfere no intercurso sexual”.

O presidente da Febrasgo Dr. Agnaldo Lopes comenta que é de fundamental importância a ciência olhar para a mulher em sua complexidade e diversidade. Apesar dos recorrentes avanços na formulação das pílulas anticoncepcionais, há muitas pacientes que não se sentem confortáveis ou não se adaptam a esse tipo de método contraceptivo. E é preciso lhes oferecer alternativas adequadas as suas necessidades e dinâmicas de vida.

O Dr. Carlos Politano completa apontando que o novo gel tem sua efetividade aumentada quando associado a outro método de contracepção – como o preservativo masculino que também previne infecções sexualmente transmissíveis. Contudo, ressalta que, neste caso, o preservativo escolhido não deve apresentar lubrificante visto que não se sabe se pode haver alguma interação com o gel contraceptivo.

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 3.236.8.46 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)