Hora certa:
 

Sociedades

SBC conscientiza sobre importância da atividade física, especialmente durante a pandemia

Em 6 de abril comemora-se o Dia Mundial da Atividade Física, data instituída pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a prevenção do sedentarismo, que é uma das principais causas de doenças cardiovasculares, além de diabetes, obesidade, câncer de mama e de colo do útero e outras doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs). Excluindo a Covid-19, atualmente, a maior carga de morbidade e mortalidade no Brasil pertence às DCNTs, que também são responsáveis por 71% de todas as mortes no mundo. As doenças do coração lideram esse ranking.

A OMS define atividade física como sendo qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que requeiram gasto de energia – incluindo atividades físicas praticadas durante o trabalho, jogos, execução de tarefas domésticas, viagens e em atividades de lazer.

O termo "atividade física" não deve ser confundido com "exercício", que é uma subcategoria da atividade física e é planejada, estruturada, repetitiva e tem como objetivo melhorar ou manter um ou mais componentes do condicionamento físico. A atividade física moderada e intensa traz benefícios para a saúde.

Em todo o mundo, um em cada cinco adultos e quatro em cada cinco adolescentes (com idade entre 11 e 17 anos) não praticam atividade física suficiente. Alguns grupos populacionais têm menos oportunidades de terem uma vida mais ativa, entre eles meninas, mulheres, pessoas idosas, com menos recursos financeiros, com deficiências e doenças crônicas, populações marginalizadas e povos indígenas.

Por conta da pandemia do novo coronavírus e a recomendação para se ficar em casa, favorecendo ao distanciamento social e, assim, evitar maior disseminação dos casos, é fundamental que as pessoas mantenham – ou criem – uma rotina fisicamente ativa. O sedentarismo é prejudicial para o sistema imune, fundamental para reduzir a possibilidade de infecção viral.

Ficar “parado” e se alimentando inadequadamente também favorece o ganho de peso, o aumento da pressão arterial, da glicose e de lipídeos no sangue, o que aumenta o risco de doenças cardiovasculares e metabólicas, que associadas levam ao pior prognóstico em pacientes acometidos pela Covid-19.

“As recomendações da OMS para indivíduos saudáveis e assintomáticos são de no mínimo 150 minutos de atividade física por semana para adultos e 300 minutos de atividade física por semana para crianças e adolescentes. Esse tempo de atividade física deve ser acumulado durante os dias da semana, podendo ser dividido de acordo com sua rotina”, fala o diretor de Promoção de Saúde da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), José Francisco Kerr Saraiva.

Ele esclarece, e reitera, que a prática de atividade física compreende qualquer atividade motora que resulte em um gasto energético acima dos níveis de repouso, ao passo que a prática sistematizada, devidamente elaborada e prescrita considerando variáveis de treinamento visando objetivos específicos é denominada exercício físico. Assim, enfatiza-se que ambas atitudes são de fundamental importância para esse período de isolamento social.

“As evidências são claras. O sedentarismo tem impacto negativo sobre a saúde, portanto, apesar de não sair de casa, é fundamental que todos realizem atividade física no ambiente domiciliar. Deve-se buscar que as atividades físicas sejam integradas ao cotidiano e que sejam prazerosas. Tais medidas são essenciais e de grande contribuição para a saúde física e mental, auxiliando na prevenção à Covid-19 e suas consequências”, alerta Saraiva.

Exercícios com segurança

No fim de 2020, a SBC e a Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE) lançaram a primeira diretriz sobre o retorno aos exercícios com segurança por pessoas que foram acometidas pela Covid-19.

"O que motivou a elaboração do documento foi o relato de problemas cardíacos em pacientes assintomáticos. Já sabíamos que o coração pode ser acometido em casos de viroses, porque os vírus podem inflamá-lo. Com Covid, acontece em frequência maior na literatura internacional e é mais comum no indivíduo que teve quadro grave. Um trabalho alemão estudou 100 pacientes após 70 dias de recuperação e 70% tinham alguma alteração no exame de ressonância magnética cardíaca", explicou a presidente do Grupo de Estudos de Cardiologia do Esporte da SBC e coordenadora da diretriz, Cléa Simone Colombo.

 

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.206.177.17 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)