Hora certa:
 

Artigos

O mercado à procura de um novo Farmacêutico

Os relatos sobre o uso de substâncias de origem vegetal, mineral ou animal com finalidades terapêuticas remontam da antiguidade. Naquela época, desconhecia-se totalmente as propriedades e os métodos adequados para extração, purificação e utilização destas substâncias. Ainda em 1550 a.C. no Egito antigo, o Papiro de Ebers já relacionava mais de 700 fórmulas mágicas e remédios com algum tipo de atividade terapêutica. 

Foram necessários muitos séculos para que descobertas e avanços acontecessem no segmento Saúde – Medicina – Farmacologia. Apartir da primeira metade do século XX, inicia-se a era da industrialização dos medicamentos, e de imediato, vários benefícios são percebidos, dentre eles o aumento da expectativa de vida e melhor resolutividade para várias doenças.  Mas o uso indiscriminado dos medicamentos associado a eventos como a automedicação, reações adversas e interações medicamentosas, aponta a necessidade de ampliar os conhecimentos sobre os medicamentos. Trata-se de um momento em que a profissão farmacêutica passa por mudanças importantes, com a incorporação de novas atribuições e aumento de seu âmbito de atuação.        

Nos últimos anos o farmacêutico vem conquistando posição de destaque como integrante da equipe multiprofissional. Seu trabalho, outrora centrado no medicamento, passou a ter um contexto mais amplo, voltado também para a obtenção de resultados eficazes e mesuráveis, visando a segurança do paciente.Passou-se a valorizar e buscar no farmacêutico competências até então pouco consideradas, seja na academia, ou mesmo no contexto mercadológico.

Faz-se necessária a incorporação de conhecimentos e habilidades capazes de construir um perfil desejável de atuação. Este perfil pode reunir as seguintes características:

Formação:
Conhecimentos avançados em fisiologia e patologia.
Conhecimentos avançados em semiologia e propedêutica.
Conhecimentos avançados em farmacologia e farmacocinética clínica, farmacoterapiae toxicologia.
Conhecimentos avançados em farmacoeconomia, farmacoepidemiologia e farmacovigilância.
Capacidade de análise crítica da literatura médica / científica 

O farmacêutico clínico, seja ele o farmacologista ou o farmacêutico hospitalar, é um profissional gabaritado e sempre requisitado no mercado. Os serviços de saúde, incluindo hospitais, clínicas e centros de pesquisa, têm sido os setores que mais têm empregado farmacêuticos com habilitação clínica. Em muitos casos, participa ativamente das decisões da equipe, emitindo pareceres e monitorando as farmacoterapias.

De forma semelhante, a farmacoeconomia, área do conhecimento que emergiu nos últimos 20 anos, é outro setor em franco crescimento e também carente de profissionais devidamente preparados. A indústria farmacêutica e as chamadas fontes pagadoras (serviços públicos e privados) vislumbram no farmacoeconomista, um profissional altamente especializado e capaz de conduzir com a devida competência os assuntos relacionados aos custos e impactos dos tratamentos médicos. Um novo perfil se apresenta para o Farmacêutico, cabendo a ele se preparar para responder com eficiência e qualidade as demandas mercadológicas.

Gustavo Alves A. dos Santos

Farmacêutico Bioquímico – Mestre em Farmácia
Coordenador dos cursos de Pós-graduação em Farmácia Clínica e Hospitalar e Farmacologia clínica e Farmacoterapia do Senac São Paulo.
 
           

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 3.236.222.124 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)