Hora certa:
 

Artigos

Fadiga adrenal

Estamos em dezembro, época de festas, compras de Natal, filas intermináveis nas lojas, cuidar dos cansativos detalhes das festas, fazer o dinheiro esticar para comprar todos os presentes, entre outras atividades típicas do fim de ano, ficou estressado sé de ler isso? Pois é, esta época tem esse poder sobre várias pessoas. A ISMA-BR (Internacional Stress Management Association - Brasil), associação voltada para o estudo do estresse, fez recentemente um pesquisa sobre isso no país com 678 pessoas: 80% afirmaram que o nível de estresse aumenta no último mês do ano. Em média, o índice de estresse sobe 75%.

Lembrando que antes de dezembro, passaram-se 11 exaustivos meses de trabalho chega ser até natural essa situação porém para algumas pessoas o quadro pode ser bem grave e nem a folga até janeiro irá ajudar. Segundo Dr. Fábio Cardoso especialista em medicina preventiva, longevidade e médico do esporte em algumas pessoas esse nível de sobrecarga é tão elevado e por tanto tempo que literalmente produziram um “curto-circuito” no sistema de controle do estresse do nosso organismo, isso se chama: Fadiga Adrenal.

"Sinto um cansaço insuportável...", "não tenho ânimo de nada!", "perdi a garra de executar trabalhos rotineiros!". Essas são segundo o Dr. as queixas mais frequentes que ele escuta não só em seu consultório, como em qualquer lugar e a todo momento, queixas essas caracterizam fortemente a possibilidade de Fadiga Adrenal. Richard Mille Replica

Tudo o que “agride”, “sobrecarrega” ou “perturba” uma pessoa pode causar estresse, por exemplo: exposição ao calor, ao frio e a ventos; barulho; dor; viagens longas e cansativas; poluição ambiental; trânsito caótico; enfermidades; ambientes hostis; intervenção cirúrgica; choque traumático; supressão dos hábitos saudáveis de vida; morte de familiares e amigos, desentendimentos; discussões; até mesmo toxinas produzidas no interior do organismo por microrganismos, tabagismo, alcoolismo, uso de drogas etc.

Quando intenso e prolongado, o estresse sobrecarrega diversos órgãos e sistemas: nervoso, imunológico (predisposição a infecções), vasos sanguíneos, coração, glândulas supra-renais e podem ocorrer inúmeras disfunções: abatimento físico e mental, insônia, dores de cabeça, depressão, distonia neurovegetativa (desarmonia entre os sistemas simpático e parassimpático, os sintomas muito se assemelham ao estresse), perda de micronutrientes, emagrecimento, queda de cabelo, aumento da produção de radicais livres (compromete a integridade das células e predispõe ao desenvolvimento de doenças degenerativas como, por exemplo, vários tipos de câncer e doenças cardiovasculares), diminuição da oxigenação nos tecidos, acidificação do sangue, intoxicação crônica, mau equilíbrio energético etc.

Para entender o que é fadiga adrenal, precisamos antes nos lembrar o que são as adrenais, também conhecidas como suprarrenais: são pequenas glândulas localizadas acima dos rins, responsáveis por controlar o estresse através da síntese de hormônios como o cortisol e a adrenalina. Quando vivemos sob muito estresse, nosso organismo passa a bombear cortisol constantemente, na tentativa de ajudar o corpo a combatê-lo.  No entanto, não fomos projetados para aguentar essa quantidade de hormônios (nem de estresse).

Assim, um dispositivo que deveria ser usado em casos de emergência pelo nosso organismo (ameaças, medos, perigos e outras formas de estresse) acaba sendo usado diariamente. O resultado é que as adrenais ficam exauridas, causando a fadiga adrenal. Em geral, as glândulas adrenais (supra-renais) tornam-se “exauridas” em conseqüência das constantes exigências que o organismo sofre quando se encontra sobrecarregado e estressado. A exaustão adrenal pode fazer com que uma pessoa se sinta “estressada”, cansada, desvitalizada e fique propensa a alergias; enquanto a excessiva atividade adrenal predispõe à ansiedade, à hipertensão arterial, à depressão, à elevação da quantidade do açúcar ou glicose no sangue (hiperglicemia) e ao aumento da quantidade de colesterol (hipercolesterolemia).

A pessoa, antes harmônica, torna-se cada dia mais distraída, confusa, presa a situação crônica de estresse. A cada dia que se passa, manifesta maior irritabilidade, e uma visão negativa da vida; sente-se vitima até mesmo com reações paranóides, torna se acusadora, briguenta, ataca os demais com palavras duras, com uma retórica afiada, como se estivesse com "os nervos à flor da pele". A fadiga adrenal é um distúrbio (doença) que, geralmente, manifesta-se após períodos prolongados de estresse físico ou mental ou pela insistência da pessoa em trabalhar até a exaustão, sem intervalos para descanso, lazer e relaxamento. O hábito de dormir tarde também pode contribuir para sobrecarregar e exaurir as glândulas adrenais.

Para facilitar, confira os sinais e sintomas que nos fazem pensar em fadiga adrenal:

Cansaço entre  9-10 horas da manhã mas resiste em ir para a cama
Necessita de café ou estimulantes para começar o trabalho pela manhã
Ânsia por salgados, gordura e alimentos com alta proteína, como carne e queijo
Aumento dos sintomas da TPM nas mulheres; e menstruação mais intensa 
Dor na parte superior das costas ou no pescoço, sem razão aparente
Sente-se muito melhor quando o estresse é aliviado, como em período de férias prolongado. 
Dificuldades em acordar pela manhã
Episódios recorrentes de confusão mental associado a tonteira
Tendência a ganhar peso e não perdê-lo, especialmente em torno da cintura 
A alta frequência de contrair a gripe e outras doenças respiratória e os sintomas tendem a durar mais do que usual.
Tendência a tremer quando esta sob stress e pressão. 
Redução do desejo sexual. 
Tonturas ao levantar de uma posição horizontal. 
Tendência a pressão baixa 
Falta de energia no período da manhã e à tarde, entre 3 a 5 horas. 
Sente-se melhor, por um breve período, depois de uma refeição. 
Aparecimento de lesões alérgicas e auto-imunes na pele como eczemas, urticária, psoríase e etc.
Taquicardia (frequência cardiac alta, acima de 100 bpm) sem causa aparente
Alergias frequentes
Fraqueza muscular
Prisão de ventre, diarréia
Queda da pressão arterial ao se levantar

É claro que o diagnóstico de Fadiga Adrenal somente é realizado por médico após correlação clínica e laboratorial e exclusão de outras patologias. Procure um profissional médico para te auxiliar no processo. Apesar de controvérsias, existem opções de tratamento que são restabelecer os níveis adequados de Cortisol, imprescindível para que tenhamos  padrões de energia adequados, melhorando a capacidade de trabalho e a resistência a situações de estress e com isso mais  qualidade de vida. Em casos intermediários o tratamento pode ser feito com ashwaganda ou rodhiola rósea e sea já para os mais graves o Dr. chega a sugerir a hidrocortisona, além de outras medidas que proporcionem descanso físico e mental, uma boa noite de sono, uma alimentação saudável e a prática de  atividades físicas e sociais que nos tragam prazer e bem-estar.

Dr Fábio Cardoso é Médico especialista em medicina preventiva, Longevidade e Anti-Envelhecimento, Pós-graduado em Medicina do Esporte, Membro da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte, Membro do Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM), Membro do Comitê de Esportes de Combate do Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM) e Membro do Comitê de Esportes de Endurance do Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM)

 

Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 18.204.2.231 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)