Hora certa:
 

Artigos

Como a crise tem afetado os planos de saúde

Cadri Massuda 

A crise econômica que o país enfrenta reflete-se em diversos setores. Para os planos de saúde, tem trazido consequências diretas que os colocam em risco. As demissões levam à diminuição das vidas seguradas por planos empresariais, diminuindo a receita das seguradoras. Em média, a diminuição é da ordem de 20%. A tendência é que o número de associados caia em cerca de 5% até o final do ano. 

Somado a isso, temos o aumento de sinistros. A crise afeta a todos, inclusive aumenta os casos de depressão e transtornos de ansiedade. Resultado: os segurados usam mais os planos de saúde. Outra questão a ser considerada é a inadimplência. Períodos de instabilidade financeira geram um considerável aumento na inadimplência, sendo que para alguns planos de saúde, esse problema quase triplicou nos últimos meses.  

Além disso, observamos que a inflação médica está cada vez mais alta. O surgimento de muitas novas tecnologias de alto custo, que passaram a ser exigidas pela ANS (Agência Nacional de Saúde) não é sustentável para operadoras de saúde menores. O reajuste permitido de 13,55% foi aquém da necessidade, visto que grande parte dos insumos são dolarizados, e com o dólar se aproximando da casa dos quatro reais, cria-se um ambiente inviável. 

Em resposta à crise, os novos negócios estão praticamente parados. Receosas, são poucas as empresas que estão tendo condições ou coragem de dar novos benefícios aos trabalhadores. O momento pede cautela. Já as empresas que oferecem o benefício estão buscando a redução de custo. Algumas estão mudando a cobertura do plano oferecido, de planos nacionais para os regionais. A coparticipação também é uma forma encontrada de oferecer o benefício ou garantir sua manutenção. 

Entretanto, não é preciso que empresas e usuários percam esse benefício e sejam prejudicados, seja com a diminuição da cobertura de seus planos ou com o fechamento das operadoras. Essa equação pode ser equilibrada com a diminuição do desperdício de recursos na área da saúde. Hoje, são realizadas muitas consultas e exames sem necessidade. Algumas pessoas solicitam ao médico determinado exame porque um amigo fez ou porque ouviram falar que é importante. É preciso um diagnóstico mais cauteloso do médico e mais confiança por parte dos pacientes. Uma saída possível é o investimento na prevenção e no consumo consciente, muitas vezes ignorados pelas empresas. 
 
Cadri Massuda é presidente da Abramge-PR/SC – Associação Brasileira de Medicina de Grupo

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 3.236.222.124 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)