Hora certa:
 

Artigos

O impacto da pandemia e o papel da tecnologia no ensino médico

É certo que o surgimento da pandemia afetou diretamente todo o setor de saúde. Os hospitais e instituições da área tiveram suas rotinas transformadas em questão de dias, em um contexto de incertezas até para os profissionais mais experientes. Não distante disto, o segmento de educação também sofreu com as mudanças de hábitos, paralisação das atividades, novos formatos e a necessidade de inclusão de novas tecnologias para viabilizar a qualidade do ensino.

Diante deste cenário, as universidades de medicina viram-se cercadas de novos desafios. Como lidar com uma emergência mundial em saúde, com adaptações às novas metodologias de ensino, com escassez de profissionais - que migraram das salas de aula para a linha de frente no combate ao COVID -, ao mesmo tempo em que precisam garantir a formação de profissionais capacitados? Tudo isso tem levado a uma verdadeira revolução na educação médica, que precisou de uma transformação brusca para conseguir cumprir este papel.

Os principais desafios da educação médica

Com o isolamento social imposto pela pandemia, as universidades, independente da fluência em TI, tiveram que se adaptar - como todo o mercado - e adotar um novo modelo de ensino: o EAD. Mas como manter o engajamento dos alunos neste novo processo de aprendizagem e propiciar a própria retenção do conhecimento? Em especial, levando em consideração a diferença de perfis de alunos, classes sociais, níveis de familiaridade com a tecnologia e os graus de maturidade das universidades no que tange o uso destas ferramentas.

É fato que, antes mesmo da pandemia, muitas universidades de medicina vinham apostando em metodologias ativas de ensino, para garantir a formação de profissionais capacitados e mais independentes. De certa forma, estes métodos possibilitam, por exemplo, a montagem de grupos de estudo e de salas invertidas, que tem como papel estimular os alunos a buscarem conhecimento espontaneamente e não aguardar apenas as informações trazidas pelos professores durante o período de aula.

Mesmo com esta atualização por parte das instituições, nada se compara à transformação gerada por este novo cenário. A mudança cultural e de espaço, bem como a inclusão de um ambiente 100% digital, desencadearam incertezas sobre o futuro acadêmico para a maioria dos alunos, agravadas pelo cancelamento temporário e emergencial das atividades práticas daqueles que cursam os primeiros ciclos da graduação.

Claro que o cenário abrupto abriu os olhos de toda a comunidade acadêmica para a necessidade de investimentos em tecnologia. Em um momento inicial, a ideia era dar continuidade ao processo de formação dos alunos, em diferentes estágios do curso, não só para não atrasar seus estudos, mas também prepará-los para atuação imediata.

O papel da tecnologia no ensino médico

No entanto, o que foi feito é um grande passo para novas possibilidades e para a evolução da educação médica quando o cenário estiver mais próximo da normalidade. Em algumas instituições, as aulas online, além de mais interativas, ganharam o reforço de plataformas mais atualizadas e condizentes com a realidade dos estudantes e com as necessidades de cada universidade, que poderão ser utilizadas para melhorar a infraestrutura e expandir as formas de ensino, mesmo em um cenário pós-pandemia.

Para os alunos em ciclos mais avançados, em que os atendimentos em hospitais e postos de saúde fazem parte da realidade e do dia a dia, o desafio era outro: Como ter acesso a conteúdos médicos confiáveis e de qualidade, enfrentando ora a carência de orientações e, em um segundo momento, um volume avassalador de informações - muitas delas sem embasamento científico - que surgiam e mudavam a todo momento?

Este novo contexto exigiu um forte crivo sobre as diretrizes mais atualizadas a serem seguidas. Primeiro, para preparar o corpo docente para que ele pudesse transferir esse conhecimento para os alunos. Segundo, para dar suporte a estes estudantes no momento de tomada de decisões importantes.

O paradigma da medicina baseada em evidências é bem reconhecido pela classe médica, mas é relativamente recente e ainda está em evolução. No entanto, já se percebe uma mudança interessante no sentido de usar as tecnologias como validação científica.

Neste momento, os recursos de suporte à decisão clínica tornaram-se um dos pilares para auxiliar o trabalho desenvolvido pela área médica e garantir a efetividade clínica. As evidências assumiram um papel fundamental em um momento delicado.

Com o passar do tempo, o cenário pandêmico tende a se aproximar do fim em diversas partes do mundo. No entanto, as consequências e o impacto tecnológico gerados neste momento devem permanecer como um forte aliado para o futuro da evolução do ensino médico nas universidades.


Marcelo Lancerotti é Country Manager da unidade de Efetividade Clínica da Wolters Kluwer, Health no Brasil.

Artigos

ver tudo

Banner SBH

Banner Snifbrasil

Banner DPM


SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 3.235.185.78 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)