Hora certa:
 

Noticias

Uso prolongado de corticoide contra a covid-19 pode desencadear diabetes

Eficiente em doenças respiratórias e de pele, o corticoide é um medicamento que tem sido usado também no combate à infecção pelo novo coronavírus. Entretanto, a longa exposição à medicação pode desencadear um desequilíbrio na produção natural de cortisol pelo corpo e gerar também muitos efeitos colaterais graves, como desencadear diabetes tipo 2.

“Para o tratamento da infecção por Covid-19, remédios como a prednisolona e dexametasona têm sido receitados por médicos no momento da consulta. Entretanto, o abuso desses medicamentos pode prejudicar a produção natural do hormônio cortisol. Após este período de pandemia, muitas pessoas deverão procurar o endocrinologista para avaliar a produção deste hormônio, o desmame da medicação e suas reações adversas sobre diversas doenças”, explica a endocrinologista do Hospital Brasília Jamilly Drago.

De acordo com a médica, o corticoide é utilizado especialmente em doenças respiratórias e tópicas, como asma e alergias, tanto virais quanto de pele. É produzido em laboratório e tem como base os hormônios produzidos pelas glândulas adrenais.

“O uso dos corticoides se dá pela sua ação anti-inflamatória potente nas doses utilizadas, permitindo que na segunda fase da covid-19 – a partir da segunda semana dos sintomas – a lesão nos pulmões seja controlada”, conta a médica endocrinologista do Núcleo de Assessoria Médica da Dasa/Exame Imagem e Laboratório Andrea Fragoso Perozo. “É importante entender que somente nos casos graves, com necessidade de oxigênio, e em pacientes intubados que encontramos benefício no uso desses medicamentos, levando a uma redução de 20% a 30% nas mortes, como mostrou o estudo RECOVERY da Universidade de Oxford no ano passado”, continua.

No corpo, os efeitos colaterais a longo prazo vão desde aumento do apetite a perda do sono, aumento da pressão arterial e principalmente aumento de açúcar no sangue. 

“O corticoide é um dos principais medicamentos que levam ao diabetes tipo 2, pois afetam indiretamente o pâncreas, órgão responsável pela produção e distribuição da insulina no sangue. Assim, o paciente tem um aumento na glicemia e pode não voltar ao normal. O endocrinologista é responsável por orientar sobre a prevenção e tratamento do diabetes e avaliar o uso e a retirada dos corticoides", explica Jamilly Drago.

Jamilly ainda recomenda que, após a contaminação por covid-19 e o uso de medicamentos como corticoide, são indicados exames para avaliar a dependência do cortisol no sangue e assim proceder o desmame da medicação de forma adequada.

“Além desses efeitos, no longo prazo o uso de corticoides também ocasiona efeitos como a osteoporose, glaucoma, aumento no risco de infecções, entre outros. Seu uso também não pode ser parado abruptamente por pacientes que usaram altas doses do medicamento e/ou por longos períodos, e a redução deve ser gradual e acompanhada por um médico para evitar um quadro de insuficiência adrenal”, conta a endocrinologista Andrea Fragoso Perozo. “Por isso os pacientes nunca devem usar corticoides por conta própria e devem estar cientes dos efeitos colaterais no curto e longo prazo. No ambiente hospitalar, onde se encontram os quadros da covid-19 que podem ser tratados com esses medicamentos, é uma boa prática a monitorização da glicemia capilar e da pressão arterial de forma frequente, requisitando o suporte de um médico especialista sempre que necessário para tratar possíveis complicações”, finaliza.

SnifDoctor é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifDoctor é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifdoctor.com.br. Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifDoctor, pelo e-mail dpm@dpm.srv.br

Seu IP: 3.236.222.124 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)